Publicado 23/02/2020 - 06h00 - Atualizado 20/02/2020 - 14h05

Por Do Correio

Região de Campinas alagada

Reprodução

Região de Campinas alagada

CAMPINAS PODE FICAR SEM ÁGUA
A cidade pode ficar sem água. As inundações que o Ati-baia provocou, da madrugada de domingo até ontem, estão atingindo também a Estação Captadora de Sousas, — distrito mais atingido — e metade de Campinas, já ontem tinha reservatórios e torneiras secas, em virtude da necessidade de paralisar a principal unidade geradora e motora daquele serviço. Em toda a cidade, mais de 300 famílias estão desabrigadas, mas só 78 pessoas procuraram auxílio do poder público. Em Sousas, a água chegou até o nível da ponte principal, cobriu casas, acabou com o serviço de abastecimento de água potável e inundou 50% da cidade.
 
CONFLITO: ATENTADO CONTRA A HUMANIDADE
O conflito entre árabes e israelenses atingiu maior O gravidade com a explosão, no ar, de um jato suíço, com 38 passageiros e nove tripulantes, que rumava para Tel-Aviv. Tudo revela que uma poderosa bomba foi colocada no aparelho e a "Frente Popular de Libertação da Palestina", através de comunicados contraditórios, admitiu e depois desmentiu a sua responsabilidade pela sabotagem. O avião da "Swissair" transportava doze passageiros israelenses e um porta-voz dos guerrilheiros afirmou que o atentado teve em mira eliminar "importantes funcionários israelenses". Roger Bonvin, ministro dos Transportes suíço, ao tomar conhecimento do lamentável fato, declarou: "Se êste desastre foi maldosamente causado por pessoas que não respeitam a vida dos outros, então a cólera deve tomar lugar ao lado da tristeza".
 
TERRORISMO AÉREO PROVOCA INDIGNAÇÃO NA EUROPA
Em uma Europa tomada pela indignação pelo terrorismo aéreo que causou 47 vitimas e esteve a ponto de ocasionar outras 38, a imprensa clama e as diversas polícias reforçam as medidas de controle, segundo fontes informadas. A imprensa européia interpreta a indignação da opinião publica ante o atentado contra o avião da "Swissair", que voava de Zurique para Tel-Aviv, cujo piloto, depois de ter denunciado uma explosão a bordo, conseguiu dizer antes da tragédia: "Sugiro que avisem a polícia e que esteja pronta quando regresse a Zurique para esclarecer isto". A explosão causou a morte dos 47 seres humanos a bordo, enquanto que, no mesmo sábado, outra bomba explodia em um "Caravelle" de uma companhia austríaca, que voava de Frankfurt para Viena, precisamente em um pacote destinado a Tel-Aviv, segundo se informa de Bonn.

Escrito por:

Do Correio