Publicado 08/02/2020 - 06h00 - Atualizado 07/02/2020 - 14h25

Por Do Correio

Campineiros aproveitam piscina neste verão

Reprodução

Campineiros aproveitam piscina neste verão

CAMPINAS: É VERÃO OUTRA VEZ
É verão outra vez. Tempo de calor, de sol forte e chuvas pesadas depois, que não conseguem diminuir a força da temperatura escaldante. Atrasada este ano, mas muito forte, como que acumulando os dias que no início da estação, o Verão 70 apresenta vazios aspectos desde a elegancia dos trajes esportivos próprios do período, até a desidratação, que só em Campinas já matou dezenas de crianças (dezesseis só em dezembro) e continua fazendo vítimas, principalmente na Guanabara e litoral paulista. Para dar combate ao calor, forte demais de certo dias as armas são muitas, e todas eficientes: água, chope, cerveja ou refrigerantes, sempre gelados, tem a capacidade de manter o organismo na medida ideal de hidratação, impedindo a perda excessiva de líquidos. O que não se deve fazer é tomar bebidas alcoólicas de alto teor como uísque, aguardente, etc.
 
OBA! OBA! HOJE TEM CARNAVAL DE RUA
No "Caldeirão da Alegria" a banda do tenente Sarti continua a batucada em ritmo alucinante de Carnaval 70. No palanque a Comissão Julgadora estará dando suas primeiras notas às agremiações que vão desfilar na avenida Francisco Glicério, no trecho que vai do Largo do Pará até a avenida Orozimbo Maia. Hoje o Carnaval vem para o asfalto. O Rei Momo chegará ao palanque oficial às 19,45 horas, seguindo-se apresentação do Bloco "Nem Sangue Nem Areia" às 20 horas; Escola de Samba Vila Rica às 20,30 horas; às 21, "Escola de Samba Estação Primeira de Boa Vista"; 21,30, Escola "Império do Samba"; 22, Escola de Samba "Unidos do Castelo Branco" ; 22,30, Escola de Samba "Acadêmicos de Ubirajara" ; 23, Escola de Samba "Estrêla D'Alva; 23,30, Escola de Samba "Acadêmicos de Madureira".
 
REINGRESSO DE CUBA NA OEA PREJUDICARÁ 16 PAÍSES
Um reingresso de Cuba na OEA prejudicaria gravemente a economia de 16 países latino-americanos produtores de açúcar, opinaram hoje aqui entendidos em assuntos interamericanos. Essas nações estariam obrigadas nesse caso a vender a metade de sua produção açucareira exportável ao mercado mundial, cujos preços são inferiores em 70 dólares por tonelada aos preços do mercado norte-americano, ao qual agora vendem aproveitando as antigas quotas cubanas, assinalaram as referidas fontes.

Escrito por:

Do Correio