Publicado 09/01/2020 - 09h32 - Atualizado 09/01/2020 - 10h05

Por Maria Teresa Costa

Tensão e bate-boca cancelam eleição

Divulgação

Tensão e bate-boca cancelam eleição

Após três horas de muita discussão, pedido de impugnação de candidatura e retirada de chapa da disputa, a eleição que estava marcada para ontem para eleger presidente e vice do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema) foi cancelada e será aberto novo processo eleitoral. O pivô da falta de consenso foi a ausência de atestado de antecedentes criminais do promotor aposentado João Luis Portolan Minnicelli, que encabeçava uma das chapas. O atestado é um dos documentos exigidos para a inscrição das chapas.
A questão foi levantada porque Minnicelli cumpre pena de cinco anos de reclusão, atualmente em regime aberto, por lesão corporal grave. O crime foi cometido em 2002, durante uma discussão do promotor e a esposa, que queria a separação. O casal vivia em um condomínio em Valinhos. No dia do crime, ela havia recebido o alvará judicial autorizando a separação de corpos. Na discussão que se seguiu, Minnicelli atirou e a bala atingiu o queixo da mulher, atravessou o pescoço e foi alojar-se na coluna cervical. Segundo relato da época, ela conseguiu girar a arma na direção do marido, que é canhoto, e acertou de raspão a mão direita dele.
Ontem, na reunião, ele afirmou que o que ocorreu foi lastimável, triste, mas que ninguém está livre de passar por situações assim e que está respondendo por lesão corporal. Para ele, o pedido de impugnação de sua candidatura é legítimo, democrático, tem que ser discutido e informou que o irá receber o atestado dia 14. Apesar da falta do documento, a comissão eleitoral havia deferido a inscrição, mas o representante da Associação dos Docentes da Unicamp no Comdema e que concorria a presidente pela chapa Verde, Jefferson de Lima Picanço, entrou com impugnação, alegando que o candidato não reunia condições para a disputa.
O entendimento da assessora na área jurídica da Secretaria do Verde, Andrea Struchel, não se enquadra em nenhum dos casos da lei federal da ficha limpa nem conflita com qualquer lei estadual ou municipal; assim, nada impede a candidatura, a eleição ou o futuro exercício das funções caso ele venha a ser eleito. Houve tentativa de continuar a eleição, mesmo sem análise do pedido de impugnação - que seria feito pelo Jurídico da Prefeitura.
Após muitas propostas, houve acordo para suspender a votação e reiniciar o processo. No próximo dia 22, o Comdema se reunirá para definir o novo processo.

Escrito por:

Maria Teresa Costa