Publicado 06/12/2019 - 11h59 - Atualizado 06/12/2019 - 11h59

Por Francisco Lima Neto

Cantora Dandara Manoela e grupo Bate Canela no sarau em Barão

Divulgação

Cantora Dandara Manoela e grupo Bate Canela no sarau em Barão

O coletivo Xiphefu apresenta na edição deste sábado (7), em Barão Geraldo, dois shows de artistas negros em alusão ao mês da Consciência Negra, comemorado em novembro. Dandara Manoela, cantora, compositora e percussionista campineira radicada em Florianópolis, apresenta seu show Retrato Falado, do álbum que leva o mesmo nome, junto do grupo Bate Canela, que relê o antológico álbum O Canto dos Escravos, interpretado anteriormente por Clementina de Jesus, Tia Doca e Geraldo Filme, em 1982. O grupo é composto por Graciela Soares (cantora, intérprete), Marcelo Santhu (baixo) e Adriel Job (percussão).
A casa abre às 16h com exposições, microfone aberto para quem quiser cantar, declamar, rimar ou realizar outras apresentações artísticas, e minifeira de roupas. Os shows começam às 20h e os ingressos promocionais já estão à venda.
Xiphefu, em Changana - língua local de Moçambique - significa lamparina. O que define bem o sentido do Coletivo Xiphefu, que visa fomentar a cena musical e artistas independentes de Campinas e do Estado, com foco nos negros e imigrantes. Neste formato, além de um ambiente descontraído, o público tem a oportunidade de conversar e trocar experiências com os artistas. Para além das atrações musicais, o evento contempla uma minifeira de venda de roupas, acessórios e artesanato africanos, venda e exposição de CDs de artistas da cena local e outros que já passaram pelo sarau.
O coletivo foi criado por Otis Selimane, de 23 anos, artista de Moçambique, que veio ao Brasil em 2015, e se mudou para Campinas em 2016 para estudar música na Unicamp. "Eu comecei a interagir com uma gama de artistas que queriam somar meu som, as minhas influências aos sons deles, brasileiros e afrobrasileiros, e tinha uma série de artistas africanos e moçambicanos que por saberem que eu estava aqui, queriam fazer pontes entre África e Brasil, possibilitando que eles viessem para cá, para atuar e fazer trocas. Pensando em realizar isso eu decidi criar esse coletivo", explica.
O principal objetivo é a realização de saraus. "A premissa do coletivo é promover saraus e artistas que não são do mainstream (mercado convencional) e, a longo prazo, criar parcerias e angariar patrocinadores que possam viabilizar essa ida e vinda de artistas de outros países africanos, bem como artistas da cena negra de São Paulo", define.
Para além dos saraus, o Xiphefu comporta seminários e workshops. "Já recebemos percussionista da Nigéria que ficou fazendo uma semana de cultura Iorubá (idioma da família linguística nígero-congolesa, falado em diversos países ao sul do Saara, principalmente na Nigéria e por minorias em Benim, Togo e Serra Leoa) e um DJ moçambicano em turnê, por exemplo. Tem várias frentes esse coletivo, como roda de conversa e gastronomia africana", exemplifica.
SERVIÇO
O que: Shows Dandara Manoela e Bate Canela
Quando: 7/12, a partir das 16h
Onde: Rua Osvaldo Antunes Vasconcelos, 125, Barão Geraldo
Quanto: de R$ 10 a R$ 20 (Ingressos antecipados podem ser comprados pelo número 16 98194-3992 ou pelas redes sociais da Xiphefu)

Escrito por:

Francisco Lima Neto