Publicado 14/12/2019 - 10h10 - Atualizado 14/12/2019 - 10h10

Por Henrique Hein

Ação foi inspirada no slogan em espanhol 'Un violador em tu camino'

Leandro Ferreira/AAN

Ação foi inspirada no slogan em espanhol 'Un violador em tu camino'

Um grupo, formado por cerca de 75 mulheres, participou de um ato no final da tarde de ontem, no Largo no Rosário, na região central de Campinas, contra o machismo e a violência contra as mulheres. A ação foi inspirada no protesto “Un violador em tu camino” (Um violador em seu caminho, em espanhol), do coletivo feminista chileno Lastesis.
A performance ficou mundialmente conhecida por ter sido executada durante uma manifestação em Santiago, no Dia Internacional da Eliminação da Violência contra as Mulheres, celebrado todos os anos em 25 de novembro. Com olhos vendados, as campineiras reproduziram a coreografia e música do coletivo, que busca simbolizar a cegueira da sociedade e da Justiça diante de casos de violência contra as mulheres, com a seguinte letra: "O patriarcado é um juiz que nos julga por nascer e o nosso castigo é a violência que se vê. Feminicídio. Impunidade. Desaparecimento. E estupro. E a culpa não era minha. Nem de onde estava ou o que vestia. O estuprador é você. É a Polícia. É o juiz. É o Estado. É o presidente. O Estado opressor é um macho estuprador”.
Moradora do Parque Anhumas, na região da Cidade Judiciária, Letícia Benevides, 25 anos, que trabalha com parto e gestação, foi uma das mulheres presentes no evento de ontem. Ao lado da amiga, Carolina, ela conta que largou tudo que tinha para fazer ontem só para poder comparecer ao Largo do Rosário e abraçar a causa. “Esse manifesto mundial tem como único objetivo conscientizar as pessoas e mostrar para elas que a violência contra a mulher existe e não pode ser tratada como algo natural. Chega de feminicídio. A gente não quer mais sofrer violência e morrer.”
Além da adesão das campineiras ao manifesto iniciado em Santiago, o movimento “Un violador em tu camino” já reuniu mulheres em diversas cidades do mundo nos últimos 20 dias como Paris, Londres, Barcelona, Nova York, Cidade do México, Istambul, Madri, Berlim e Bogotá. Em todos esses lugares, as mulheres repetiram a coreografia e a música do coletivo chileno.

Escrito por:

Henrique Hein