Publicado 05/12/2019 - 21h45 - Atualizado 05/12/2019 - 21h45

Por Tote Nunes

O jornalista Gilson Rei (esq.), do Grupo RAC, venceu o Prêmio Feac na categoria Mídia Imnpressa, com a matéria

Leandro Ferreira/AAN

O jornalista Gilson Rei (esq.), do Grupo RAC, venceu o Prêmio Feac na categoria Mídia Imnpressa, com a matéria "Alunos garantem água na escola"

O Grupo RAC — que edita os jornais Correio Popular, Notícia Já, Revista Metrópole e Gazeta de Piracicaba, além do portal correio.com e a Agência Anhanguera — venceu ontem o prêmio Fundação Feac 2019 na categoria Mídia Impressa. O prêmio, considerado um dos mais importantes do Estado de São Paulo, teve este ano o tema “Jovens que transformam realidades”.
A inspiradora reportagem de autoria do jornalista Gilson Rei ("Alunos garantem água na escola") narrou a história de empreendedorismo e solução criativa de grupo de estudantes do Colégio Culto à Ciência. Segundo o vencedor, o prêmio é dedicado "aos alunos do Culto à Ciência, que realmente fizeram a diferença", afirmou. Também foram à final do prêmio nesta categoria outros dois profissionais do Grupo RAC, os repórteres Alison Negrinho, do Correio Popular, com a matéria "Inspiração para o futuro", e Kátia Camargo, da revista Metrópole. Na categoria Fotojornalismo, o vencedor foi o profissional Ricardo Lima pelo portal A Cidade On, com Raul Grau Xáá: "Desafiando a vida sobre rodas."
Nessa categoria foram finalistas Carlos Bassan, da Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal de Campinas, com o trabalho “Superação marca história de bolsista do Juventude Conectada” e Denny Cesare, do site A Cidade On, com “Jovens arrecadam lã para fazer perucas a crianças com câncer.”
Já na categoria Rádio, a ganhadora foi Ericka Flávia Marques de Araújo, da Rádio Brasil Campinas, com “Série de reportagens discute o protagonismo dos jovens católicos”. Também concorriam ao prêmio a dupla da CBN Campinas, Henrique Bueno, com "Através do estudo, jovem mostra que pode mudar o próprio futuro e de sua comunidade" e Marco Antonio Falopa Guarizzo, com a matéria “Projeto voluntário de educação oferece Vida Nova para moradores do bairro”.
Na modalidade Televisão, Viviane Novaes Aranha, pela TV Câmara Campinas, com a matéria “Causa animal: uma luta que começa cedo!” faturou o prêmio. Ananda Almeida Porto, da EPTV Campinas, com o trabalho “Aldeia à Prova: 610 índios disputam 72 vagas no vestibular indígena da Unicamp” e Andreia Marques da Costa, da TV Câmara Campinas com “Sementes do amanhã” também estavam na disputa desta categoria
Por fim, na categoria Jornalismo Online o primeiro prêmio ficou com Hebe Rios, da Gazeta de Barão, com a reportagem, de “Mudando comportamentos e realidades — a ação dos Jovens Mobilizadores”. Nesse segmento também concorreram a Global Communities Brasil, com a matéria “Jovens unidos contra a depressão”, de autoria de Amanda Xavier e Fernanda Mello, e a Agência Social de Notícias com “Jovens do Comunica Aí criam agência de comunicação Mandinga da Favela: a voz do protagonismo”, de Daniela Prandi.
Os cinco vencedores do 22º Prêmio FEAC receberam R$ 6 mil de premiação. O Prêmio FEAC de Jornalismo é uma iniciativa que reconhece o papel fundamental da imprensa para o desenvolvimento social. O objetivo é incentivar e valorizar os esforços dos profissionais de imprensa e dos meios de comunicação em abordar os diversos aspectos da realidade social, apontando desafios e possíveis soluções que a comunidade pode apresentar para as questões pautadas.
Anualmente, o Prêmio FEAC de Jornalismo reúne parceiros que apoiam a iniciativa. A 22ª edição conta com patrocínio máster do Iguatemi Campinas e apoio da Fundação Educar DPaschoal. Associação Campineira de Imprensa (ACI) e Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo — regional Campinas — são parceiros institucionais.

Escrito por:

Tote Nunes