Publicado 11/11/2019 - 14h46 - Atualizado 11/11/2019 - 18h03

Por Kátia Camargo

Em Campinas, vários locais receberam iluminação especial para o Novembro Azul, como a histórica Torre do Castelo

Leandro Ferreira/AAN

Em Campinas, vários locais receberam iluminação especial para o Novembro Azul, como a histórica Torre do Castelo

Campinas e muitas cidades do País, assim como de outros 20 países, iluminam de azul há anos seus principais prédios e monumentos no mês de novembro como forma de conscientizar a população sobre o câncer de próstata, considerado altamente tratável se detectado de forma precoce. A campanha Novembro Azul foi criada para incentivar os homens a se submeterem a exames preventivos.
O movimento começou na Austrália, em 2003, e foi chamado de Movember – uma junção entre os termos mustache (bigode, em inglês) e november - aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, realizado a 17 de novembro. A iniciativa se espalhou pelo mundo e vem ajudando a população masculina a se conscientizar da importância da prevenção. Isso porque com o diagnóstico prematuro a expectativa de cura está em 90%.
O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que um em cada seis homens desenvolverá esse tipo de câncer durante a vida. “A campanha foi criada com o intuito de chamar a atenção dos homens para a prevenção do câncer de próstata. O diagnóstico precoce é muito importante, pois a doença pode não apresentar sintoma, ou pode dar sinais semelhantes ao aumento benigno da glândula, dificuldade de urinar e incontinência urinária”, destaca o urologista Moisés Terrazas Garrett, do Centro de Urologia Campinas (Uroderma).
Somente para este ano, são estimados 68,2 mil novos casos de câncer de próstata, de acordo com o Inca. O risco aumenta após os 50 anos, correspondendo a 40% dos tumores nessa faixa etária, segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). Neste ano, a SBU traz o tema “Seja herói da sua saúde” e tem como padrinhos o chef de cozinha Henrique Fogaça e o ex-jogador de futebol Zico. Ambos apóiam a causa e buscam incentivar que os homens façam exames preventivos.
Quando os homens não têm histórico familiar, os exames preventivos devem ser feitos a partir dos 45 anos. Mas, vale destacar, que os homens com histórico familiar da doença na família precisam ficar mais atentos. “Para esses casos, os exames preventivos devem começar a ser feitos a partir de 40 anos. Principalmente quando se tem algum antecedente familiar de câncer de próstata, ovário, mama, ou até de pâncreas que são os adenocarcinomas. Homens negros também têm mais chance de desenvolver a doença”, destaca o urologista.
Exames que ajudam a detectar a doença
O câncer de próstata começa a ser investigado a partir de um exame de sangue para dosar o PSA (Antígeno Prostático Específico) – uma proteína que a próstata produz e que é liberada de forma contínua em pequenas quantidades no sangue. “Caso sejam constatadas elevações na dosagem do PSA é preciso fazer uma investigação mais apurada”, explica o urologista. Além de dosar o PSA, é imprescindível também o exame físico da próstata. “Antigamente era muito difícil um homem ir espontaneamente ao consultório fazer exames preventivos. Hoje eles estão mais conscientes e têm procurado se cuidar mais. Caso esses exames apresentem alterações são necessários outros exames complementares”.
Iluminar para lembrar
Em Campinas, vários locais receberam iluminação especial para o Novembro Azul, assim como ocorre com o Outubro Rosa. Locais como a Torre do Castelo, a Escola de Cadetes, o prédio centenário da Casa de Saúde e a Escola Salesiana São José chamam a atenção para a campanha.
No Brasil, o Novembro Azul foi criado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o intuito de quebrar o preconceito masculino de ir ao médico e, quando necessário, fazer o exame de toque. Para se ter uma idéia, em 2014, o Instituto realizou 2.200 ações em todo o Brasil, com a iluminação de pontos turísticos (como Cristo Redentor, Congresso Nacional, Teatro Amazonas, Monumento às Bandeiras).

Escrito por:

Kátia Camargo