Publicado 09/11/2019 - 09h24 - Atualizado // - h

Por Gilson Rei

Seis caminhões-caçamba foram utilizados para transportar o papel doado que estava no arquivo central

Divulgação

Seis caminhões-caçamba foram utilizados para transportar o papel doado que estava no arquivo central

Aproximadamente 80 toneladas de papel foram doadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15) para a Cooperativa de Profissionais da Área de Reciclagem do Brasil — Cooperlínia Ambiental do Brasil, instalada em Paulínia.
O montante representa 135 mil processos judiciais encerrados e arquivados que tramitaram nos últimos anos no TRT-15 em Campinas e não tinham mais utilidade. Os processos doados passaram por uma triagem criteriosa com base em análise documental e histórica, antes de serem liberados para a doação.
Seis caminhões-caçamba foram utilizados para transportar o papel doado que estava no arquivo central do TRT-15, em Betel, Paulínia. A entrega do papel para uma entidade de reciclagem integra o projeto, batizado de “Papel Social”, que beneficia os catadores de papel e reeducandos em regime semiaberto da Fundação de Amparo ao Preso (Funap) “Professor Dr. Manoel Pimentel”.
José Carlos da Silva, diretor presidente da Cooperlínia, disse que a doação deverá render aproximadamente R$ 50 mil à cooperativa e que pretende destinar 10% do valor obtido com a comercialização do material para a associação Amigos Unidos por Amor Contra o Câncer (Aupacc).
Estima-se que as 80 toneladas de resíduos recicláveis doados levarão à redução de cerca de 250% de consumo de energia elétrica, em relação ao processo tradicional para obtenção de papel a partir da polpa de madeira. Além disso, essa prática evitará a emissão de cerca de 210 toneladas de dióxido de carbono na atmosfera, reduzirá o consumo de água, aumentará a vida útil dos materiais e minimizará a utilização de aterros sanitários.
A Coordenadoria de Gestão Documental do TRT-15 já havia doado, em fevereiro deste ano, um lote de 16,8 toneladas de papel, fruto de descarte de 24.013 processos judiciais, à Cooperlínia Ambiental do Brasil. O montante rendeu quase R$ 12 mil à instituição, que se candidatou a receber o material atendendo ao Edital de Eliminação publicado no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho (DEJT) pelo TRT-15. Essa nova iniciativa do projeto "Papel Social" é a maior já registrada no Tribunal.
Sustentável
A desembargadora Gisela Rodrigues Magalhães de Araujo e Moraes, presidente do TRT da 15ª Região, lembrou que é dever do Tribunal adotar iniciativas sustentáveis, pois é signatário do Pacto Global das Nações Unidas e detentor do Selo A3P Verde de Sustentabilidade na Administração Pública.
Segundo Gisela, a medida reforça este aspecto da sustentabilidade. “Por meio de ações como esta, o TRT da 15ª Região reitera seu compromisso com a preservação do meio ambiente e se posiciona como uma instituição que se organiza para operar a redução e a erradicação de impactos socioambientais negativos gerados a partir de suas atividades”, disse.
A desembargadora salientou também que “é função também do Tribunal fomentar o uso racional dos recursos naturais, o respeito à sociedade e ao meio ambiente”, afirmou. A iniciativa de destinação dos processos encerrados, segundo a desembargadora, está em conformidade com a Plataforma Agenda 2030, da ONU, mais especificamente ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 12, que trata dos padrões de produção e consumo sustentáveis.
Gisela ressaltou o viés social da iniciativa. “Cria-se um ciclo do bem, uma vez que a cooperativa é uma sociedade sem fins lucrativos e possui convênio assinado com a Fundação de Amparo ao Preso, mantendo postos de trabalho para reeducandos em regime semiaberto”, disse. O programa atende a, 33 reeducandos.
SAIBA MAIS
Com sede em Campinas e jurisdição em 599 municípios paulistas, o TRT-15 foi pioneiro na implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe), transformando a rotina de suas 153 unidades judiciárias com a eliminação do papel.
Engajado em aliar sustentabilidade e gestão de documentos, o Tribunal, por intermédio da Coordenadoria de Gestão Documental e da Assessoria de Gestão Estratégica, busca executar ações em consonância com o Plano de Logística Sustentável para favorecer o desenvolvimento, o cumprimento e a divulgação de práticas ambientais.

Escrito por:

Gilson Rei