Publicado 08/11/2019 - 16h51 - Atualizado 08/11/2019 - 16h58

Por Maria Teresa Costa

O parlamentar disse que a acusação é injustificada, porque sempre foi leal ao partido e vai se defender no Conselho de Ética

Reprodução/Facebook

O parlamentar disse que a acusação é injustificada, porque sempre foi leal ao partido e vai se defender no Conselho de Ética

A executiva do Partido Verde de Campinas instaurou ontem processo para a expulsão do vereador Permínio Monteiro da legenda, por infidelidade partidária. Ele responderá ao Conselho de Ética. O PV acatou representação de Messias Gonçalves Jr, membro da executiva, que acusa o parlamentar de apoio explicito ao deputado estadual Rafa Zimbaldi (PSB) para prefeito em 2020, quando o partido, em fevereiro, lançou como pré-candidato do PV, o secretário do Verde, Rogério Menezes.
O parlamentar disse que a acusação é injustificada, porque sempre foi leal ao partido e vai se defender no Conselho de Ética. Ele afirmou que arrolará como testemunhas o deputado Rafa Zimbaldi, o presidente da Câmara, Marcos Bernardelli (PSDB) e o secretário de Relações Institucionais, Wanderlei de Almeida.
Na denúncia, Gonçalves Jr, no dia 31 de outubro o vereador organizou e reuniu cerca de cem pessoas em um encontro com Zimbaldi no Jardim Nova Europa, “usando como subterfúgio ser um ato de prestação de contas dos mandatos de vereador e deputado”. Ainda segundo a denúncia, o presidente da associação de moradores, Raildo Diniz Neves incitou os presentes à aclamação ao deputado como prefeito eleito da cidade nas eleições de 2020. “Em nenhum momento houve repreensão por parte do vereador, que também participou da ovação”, informa.
O parlamentar afirmou que não fez nada de errado e que a representação não tem lógica. “Na eleição passada o PV se coligou ao PSB e é base de governo. Só fomos fazer prestação de contas do mandato à população. Nunca prestei apoio à candidatura de Rafa”, afirmou.

Escrito por:

Maria Teresa Costa