Publicado 02/11/2019 - 10h42 - Atualizado 02/11/2019 - 10h42

Por Henrique Hein

As redações do Enem geralmente têm como objetivo pedir para o candidato uma solução para a situação-problema: organização do texto

Divulgação

As redações do Enem geralmente têm como objetivo pedir para o candidato uma solução para a situação-problema: organização do texto

A primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será realizada amanhã, com provas nas áreas de linguagens, códigos e suas tecnologias, ciências humanas e suas tecnologias e a redação. De acordo com professores, estudar antes o que geralmente cai na prova faz toda a diferença no final. O Correio Popular, em parceira com os professores do Curso e Colégio Oficina do Estudante, elaborou uma lista com os conteúdos que mais caem primeiro dia do exame.
Geografia
A dinâmica da natureza e os impactos ambientais gerados pela sociedade serão mais uma vez cobrados na prova, como o caso de Brumadinho (MG), segundo o professor Axé Silva. No campo da geografia humana, o processo de envelhecimento da população brasileira também tem boas chances de ser abordado, por causa da Reforma da Previdência. Já em relação as atualidades, Silva acredita em tópicos como: o drama dos refugiados, os combates entre Estados Unidos e China e a aproximação entre União Europeia e o Mercosul.
Sociologia e Filosofia
A professora Jéssica Valmorbida explica que as questões de filosofia e sociologia do Enem costumam focar em assuntos pouco específicos. Em sociologia, ela aposta em temas relacionados à organização do modelo político brasileiro. Já no âmbito da filosofia, devem prevalecer as características gerais dos diferentes períodos e autores filosóficos.
Inglês
Para o professor Marcio Pantoja, a dica é priorizar a leitura e interpretação de textos, pois o Enem não costuma cobrar mais questões de gramática. Segundo ele, os gêneros textuais que mais caem são os científicos de saúde e notícia.
História
Na visão do professor Victor Rysovas, um dos temas mais importantes é a Era Vargas, principalmente as questões ligadas ao trabalho, à censura e à cultura. O período colonial é outro objeto que deve ganhar um bom espaço, com as atenções voltadas para o descobrimento do Brasil: é importante estudar as relações de alteridade entre europeus e indígenas. Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana, o olhar sobre os bandeirantes, a escravidão, as mudanças proporcionadas pela vinda da família real e o papel dos Jesuítas, são tópicos que também caem.
Português
A professora Maria Silvia Aguiar explica que as questões de língua portuguesa no Enem, historicamente, sempre tiveram como proposta a interpretação de imagens e textos. Além de saber ler e entender o que a questão pede, a prova costuma exigir bastante conhecimento de morfologia.
Redação
O gênero da redação do Enem é sempre o dissertativo-argumentativo e tem como objetivo pedir para o candidato uma solução para a situação-problema. Segundo a professora Fabiana Gomes de Camargo, mais do que saber qual tema será cobrado, é essencial dominar a forma de organizar o texto. É preciso saber montar uma introdução, uma argumentação contundente e, principalmente, uma conclusão.
Sistema antichute vai estar em ação
Os alunos que forem fazer a prova do Enem precisaram ficar atentos com a Teoria de Resposta ao Item (TRI), uma metodologia que conta com um sistema "antichute", desenhado para detectar quando um candidato provavelmente não sabe a resposta. Em resumo, quem errar as questões mais fáceis e acertar as mais difíceis é penalizado, porque o TRI entende que, se o aluno não soube acertar as perguntas mais simples, também não deveria saber responder as mais complexas. 
Nesse sentindo, o sistema desconfia que o aluno chutou a questão mais difícil e retira parte dos pontos obtidos pelo candidato. De acordo com Marcelo Pavani, diretor do Curso Pré-Vestibular da Oficina do Estudante, a melhor estratégia para evitar perder pontos por causa do Tri é resolver as questões que acreditar ser as mais fáceis primeiro e deixar para o final as perguntas mais difíceis.

Escrito por:

Henrique Hein