Publicado 28/11/2019 - 06h00 - Atualizado 27/11/2019 - 14h29

Por Do Correio

Cadetes da EsPCEx após treino

Reprodução

Cadetes da EsPCEx após treino

ESPCEX: AGORA, A VEZ DA ANTI-GUERRILHA
Um dos principais exercícios do Ensino Geral do Exército e o mais rigoroso do seu nível, termina hoje, em Valinhos na região de Fonte Sônia, onde foi desenvolvido pela Escola Preparatória de Cadetes desde terça-feira, tendo como, objetivo básico desenvolver na prática os ensinamentos ministrados em aulas teóricas durante o ano letivo na instrução destinada a função específica da ESPCEX, ou seja, preparo alunos para a Academia Militar das Agulhas Negras. Ontem, depois de um dia inteiro de provas duríssimas, os jovens passaram por uma "prova situativa de liderança", preparada pelo setor de psicotécnica da Escola . À noite, assistiram a uma demonstração de tiro real com armas automáticas do 5.o GCAN 90, uma das unidades que colaboram com os cadetes nesta manobra.
 
PASSARINHO ESPERA SOLUCIONAR ENSINO
O ministro da Educação, senador Jarbas Passarinho, afirmou hoje, em entrevista coletiva, que pretende criar condições aos brasileiros de não somente a ler e a escrever, mas também instruí-los de maneira a que sejam úteis à comunidade a que pertencem. Afirmando que utilizará todos os meios disponíveis para diminuir o índice de analfabetismo no País, o senador Jarbas Passarinho frizou que "é por falta de informação que surgem divergências sobre o problema de verbas destinadas à Educação, pois somos o quarto país do mundo, depois dos Estados Unidos, Rússia e Japão a gastar em educação".
 
MAGNETÔMETRO COLOCADO NA LUA EMITE SINAIS
O magnetômetro depositado na Lua por Charles Conrad e Alan Bean, continua emitindo sinais que correspondem a um campo magnético muito mais intenso do que o que se previra. Os técnicos acreditavam que o campo magnético lunar não era superior a duas gramas. Segundo as medidas transmitidas pelo magnetômetro do Mar das Tempestades, o referido campo varia entre 10 e 40 gramas. A primeira hipótese formulada a respeito aqui indica que a Lua possui um núcleo central quente e líquido. Considera-se também a eventualidade de que o satélite natural da Terra tivesse inicialmente o referido núcleo e que ao esfriar-se e solidificar-se as brechas externas conservaram a intensidade magnética do mesmo, transformando-se em um tipo de gigantesco imã.

Escrito por:

Do Correio