Publicado 18/10/2019 - 00h13 - Atualizado 18/10/2019 - 00h14

Por Carlos Rodrigues

Felipe Guedes tenta desarmar o adversário: Guarani entrou desligado em campo, tomou dois gols em oito minutos e depois ficou difícil reagir

Assessoria do Cuiabá

Felipe Guedes tenta desarmar o adversário: Guarani entrou desligado em campo, tomou dois gols em oito minutos e depois ficou difícil reagir

O poder de recuperação imediata apresentado pelo Guarani em jogos anteriores não apareceu nesta quinta-feira (17). Depois de um início de partida desastroso com dois gols relâmpagos, o Bugre teve uma atuação paupérrima, esboçou uma reação tarde demais e perdeu para o Cuiabá por 2 a 1, na Arena Pantanal, em partida válida pela 30ª rodada da Série B do Brasileiro. Jean Patrick e Jefinho marcaram para os mato-grossenses e Filipe Cirne descontou.
Foi a primeira vez que o time alviverde sofreu duas derrotas seguidas sob o comando de Thiago Carpini. Estacionado nos 35 pontos, o Guarani aguarda o complemento da rodada e torce para que a vantagem em relação a zona de rebaixamento não despenque. O próximo compromisso é apenas no sábado da semana que vem, contra o São Bento, em Sorocaba.
O Guarani fez um primeiro tempo tão horroroso que conseguiu superar até mesmo os piores momentos do time no primeiro turno, quando era lanterna. O jogo começou debaixo de muita chuva e o Cuiabá não precisou nem de dez minutos para abrir importante vantagem. Logo aos 2', em rápida cobrança de falta, Paulinho acionou Jean Patrick, que ajeitou para a canhota e mandou no ângulo de Klever.
O Bugre mal teve tempo de absorver a abertura do placar e tomou o segundo, aos 7', num lance digno de comédia pastelão. Após lançamento longo, Luiz Gustavo fez a proteção esperando a saída de Klever. O goleiro demorou e, quando resolveu sair, trombou com o zagueiro e deixou a bola à disposição de Jefinho, que só teve o trabalho de empurrar para o fundo da rede.
O jogo seguiu sem o Guarani apresentar nenhum tipo de reação. O alviverde não conseguia trocar três passes seguidos no campo de ataque e terminou a etapa inicial sem sequer uma finalização a gol, mesmo que errada. À vontade, os donos da casa conseguiam chegar constantemente e perderam a chance de ampliar o marcador ainda antes do intervalo em novo vacilo incrível da defesa bugrina. Aos 38', Thallyson errou na saída de bola e interceptou passe de Alê dentro da área com o braço. O pênalti foi marcado, mas Paulinho acertou a trave direita e o Bugre escapou de tomar o terceiro.
Como não poderia piorar, o Guarani voltou mais ligado para o segundo tempo e, no minuto inicial, finalmente tentou ameaçar o adversário em chute de Arthur Rezende de fora da área. Com o Cuiabá mais recuado por conta da vantagem, o Bugre foi ocupando o campo de ataque, mas demorou para começar a esboçar uma reação.
A entrada de Filipe Cirne foi o que deu mais gás para o time. Em sua primeira jogada, o meia carregou pelo lado direito, fez o cruzamento, mas Vítor Feijão não conseguiu completar para o gol. Aos 29', o Bugre ganhou um sopro de esperança. Num lance muito bem trabalhado, que faltou durante o jogo inteiro, Filipe Cirne tabelou com Arthur Rezende, arrumou para o pé direito e mandou no ângulo, indefensável para Matheus Nogueira.
O gol deu ânimo ao Bugre, mas o time não conseguiu fazer a pressão que precisava para buscar o empate. No final, o Cuiabá usou de toda a experiência para gastar o tempo e administrar o resultado. Ao Guarani, restou lamentar bastante o péssimo início de jogo e a reação tardia.

Escrito por:

Carlos Rodrigues