Publicado 18/10/2019 - 11h29 - Atualizado 18/10/2019 - 11h29

Por Daniel de Camargo

Corpo clínico do Centro Integrado de Neurologia de Campinas

Divulgação

Corpo clínico do Centro Integrado de Neurologia de Campinas

O Centro Integrado de Neurologia de Campinas orgulha-se de ter um corpo clínico extremamente qualificado e experiente, que assegura excelência no atendimento ao cliente. Segundo o médico Leonardo de Deus Silva, a clínica surgiu da união de neurologistas e neurocirurgiões interessados em oferecer um serviço de alta qualidade nessas áreas médicas. “Nossa equipe é altamente qualificada e todos os profissionais que aqui atendem são especializados”, comentou o médico, membro de organizações internacionais que conta em seu currículo com formação no Exterior.
Corpo clínico do Centro Integrado de Neurologia de Campinas
Desde maio de 2016, o centro atende na Rua Dr. Clemente Ferreira, nº 44, no Botafogo. Anteriormente, estava instalado na Avenida Andrade Neves. A bagagem na Medicina credencia esses profissionais a realizar com primazia a neurorradiologia intervencionista (NRI), uma área de atuação médica relativamente nova. A técnica, explica, consiste em procedimentos minimamente invasivos para o diagnóstico e tratamento de lesões do sistema nervoso, principalmente as lesões vasculares.
Neurologista com pós-graduação (mestrado e doutorado) em neurociências pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Silva diz que através da neurorradiologia intervencionista é possível tratar aneurismas cerebrais, malformações arteriovenosas (MAV), fístulas arteriovenosas, estenoses arteriais que envolvem as artérias carótidas e vertebrais, além dos vasos intracranianos. “Nesses casos, o tempo de internação hospitalar, assim como a recuperação após o tratamento, são mais rápidas e melhor toleradas pelos pacientes, os quais tem uma maior chance de retornarem às suas atividades de vida diária de forma mais rápida”, enfatiza.
O tempo de internação hospitalar, reforça, é reduzido: no máximo dois dias. Essa série de procedimentos, informa, que envolve embolização de aneurismas e angioplastia com colocação de stent, entre outros, são realizados em hospitais parceiros. Prioritariamente, detalha, no Vera Cruz, Hospital da PUC ou Hospital do Coração de Campinas. No centro, são feitas as consultas e exames.
Exames
No Centro Integrado de Neurologia de Campinas são realizados quatro tipos de exames — eletroencefalograma ou eletroencefalografia (EEG), eletroneuromiografia (ENMG), estudo dos potenciais evocados e neurossonologia. O eletroencefalograma, também chamado de EEG, é um exame complementar que registra a atividade elétrica cerebral através de eletrodos afixados no couro cabeludo, com uma pasta condutora. Dessa forma é obtido um registro (traçado) das ondas elétricas cerebrais.
Os registros são obtidos com o indivíduo em vigília, sonolência e/ou sono espontâneo. A duração habitual do EEG de rotina varia entre 20 e 30 minutos. O objetivo principal é identificar anormalidades associadas à epilepsia, prestando-se ainda para acompanhamento de pacientes com esse diagnóstico, além de outras condições neurológicas que precisam ser diferenciadas da epilepsia.
Eletroneuromiografia (EMNG) é um exame eletrofisiológico que registra e avalia a atividade elétrica que ocorre nos nervos periféricos, raízes nervosas e músculos. Esse método é fundamental para a compreensão da funcionalidade do sistema nervoso periférico, sendo imprescindível para o diagnóstico e acompanhamento das doenças do SNP, como neuropatias, radiculopatias e miopatias. O estudo dos potenciais evocados consiste no registro e análises de potenciais elétricos gerados no cérebro e/ou medula a partir de estímulos.
É uma análise mais funcional de um EEG já que as ondas a serem registradas dependem de um estímulo especificamente aplicado para aquela finalidade. É um exame altamente recomendável para a avaliação da integridade das vias visuais e somatossensitivas em qualquer situação na qual haja sintomas sugestivos de comprometimento e/ou interrupção dessas vias, tais como na esclerose múltipla, traumatismo raquimedular, entre outras.
A neurossonologia ou doppler consiste na utilização do ultrassom para o estudo e a avaliação em tempo real da circulação sanguínea dos principais vasos intracranianos e a repercussão de patologias cerebrais específicas na hemodinâmica cerebral. O doppler transcraniano é um exame relativamente novo que se baseia nos princípios da ultrassonografia com emissão de ondas capazes de atravessar o osso do crânio.

Escrito por:

Daniel de Camargo