Publicado 10/09/2019 - 10h52 - Atualizado 10/09/2019 - 10h53

Por Carlos Rodrigues


Reprodução/Facebook

A partida do Guarani contra o Vitória, no próximo sábado, pela 22ª rodada da Série B do Brasileiro, não será disputada no Barradão, tradicional casa do time baiano. O clube anunciou ontem um acordo de parceria com a Arena Fonte Nova e mandará seus jogos pelos próximos três anos no estádio que foi um dos palcos da Copa do Mundo de 2014. A CBF ainda não oficializou a mudança, mas fará isso entre hoje e amanhã, já que pelo Estatuto do Torcedor, o prazo mínimo para troca do local de uma partida na mesma cidade é de 72 horas. Apesar de ter a terceira melhor média de público do campeonato — 6.209 torcedores por jogo —, o Vitória acredita que a mudança será benéfica em todos os sentidos. A confiança é de que o número de torcedores será maior e que isso consequentemente trará mais renda ao clube. A ideia é contar com um aumento significativo no número de sócios-torcedores. A última vez que o Leão mandou uma partida na Fonte Nova foi em 27 de maio de 2017, quando perdeu do Coritiba por 1 a 0. Já o Guarani atua pela primeira vez no estádio após a reforma. A última oportunidade, antes dos tempos de Arena, foi há mais de 16 anos, quando perdeu para o Bahia por 2 a 0, pelo Brasileiro.
Ainda na lanterna e frustrado pelo último resultado, quando desperdiçou uma oportunidade valiosa de deixar a zona de rebaixamento, o elenco bugrino se reapresentou ontem para iniciar a semana cheia antes do jogo em Salvador. O lateral-esquerdo Thallyson revelou o sentimento de decepção do time, mas frisou que a derrota para o Oeste não pode abalar a confiança do grupo. "Fomos nocauteados de surpresa. A gente vinha de dois grandes jogos, tinha a possibilidade de conquistar a vitória, mas infelizmente não aconteceu. Nas três bolas que eles chutaram, fizeram os gols. Está doendo, mas temos que levantar a cabeça, juntar os cacos e trabalhar forte", disse. "Próximo jogo é mais uma vez decisivo porque podemos diminuir a vantagem para o adversário".

Escrito por:

Carlos Rodrigues