Publicado 21/09/2019 - 13h24 - Atualizado 21/09/2019 - 13h24

Por Da Agência Anhanguera

Dados indicam expansão no segmento e dos recursos da poupança, que somaram cerca de 78% este ano

Leandro Torres/AAN

Dados indicam expansão no segmento e dos recursos da poupança, que somaram cerca de 78% este ano

A Caixa financiou quase R$ 1 bilhão em recursos para a compra da casa própria no primeiro semestre deste ano na Região Metropolitana de Campinas (RMC). O crédito imobiliário apresentou uma alta de 26% no período. O financiamento atrelado ao Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE), que usa recursos da poupança, aumentou 78,5% neste ano. O aquecimento do setor imobiliário foi puxado pelas classes média e de alta renda que voltaram a comprar imóveis usando essa linha de crédito.
A Caixa é a patrocinadora exclusiva da 2ª Feira do Imóvel, Construção, Condomínios, Arquitetura e Decoração (Feiccad), maior evento do setor imobiliário da Região Metropolitana de Campinas (RMC), que começou ontem e termina amanhã no Expo D.Pedro, no Parque D.Pedro Shopping, em Campinas. A previsão é que 8 mil pessoas visitem o evento. A feira conta com 30 expositores entre construtoras, incorporadoras, Caixa e Caixa Seguros. A entrada é gratuita.
Os dados da Caixa apontam que no primeiro semestre deste ano foram financiados R$ 225,5 milhões com recursos do SBPE para a compra da casa própria na RMC. Outros R$ 690 milhões foram disponibilizados para a aquisição em empreendimentos do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). No total, foram financiados R$ 915,5 milhões. Nos seis primeiros meses de 2018, o banco firmou R$ 126,3 milhões em contratos de SBPE e R$ 600 milhões no MCMV. A soma chegou a R$ 726,3 milhões.
De acordo com o comando regional da Caixa, os números positivos do primeiro semestre são resultado de juros menores, mais produtos em oferta e da aposta do banco em elevar os financiamentos usando o SBPE como fonte de recursos. A linha atende de forma mais efetiva os compradores da classe média e de alto padrão. Esses clientes têm renda mais elevada e querem comprar imóveis com valor acima da faixa 3 do MCMV, cujo teto é R$ 230 mil.
A superintendente regional da Caixa, Cecília Helena Bomfim, diz que as perspectivas para o segundo semestre e para o próximo ano são muito positivas. “O resultado do primeiro semestre foi muito promissor. No segmento de média e alta renda, nosso volume de contratação já foi 78% maior do que no mesmo período do ano passado. A previsão é muito positiva para o segundo semestre e em 2020”, afirma.
Crédito
A gerente regional de Construção Civil da Caixa, Isadora Moraes, afirma que o mercado da região não sentiu a crise econômica com a mesma intensidade do que em outras regiões do país. Ela diz que este ano o setor apresenta um aquecimento “Apesar da instabilidade econômica do país, mantivemos um equilíbrio no crédito imobiliário nos últimos anos. Poderíamos ter crescido muito mais, mas não tivemos queda. Neste ano, sentimos uma reação boa do mercado, principalmente com o retorno dos compradores de classe média e de alto padrão usando financiamento por meio de SBPE”, analisa.
Ela explica que os compradores que usam o SBPE podem financiar até 80% do valor de um imóvel usado e até 90% de um imóvel novo. A gerente destaca que a região apresenta uma retomada no lançamento de empreendimentos habitacionais. “Muitos desses empreendimentos atendem a demanda das classes média e alta ”, comenta. Isadora Moraes afirma também que foram financiados R$ 150 milhões para as construtoras. “Somando os financiamentos para pessoas físicas e jurídicas ultrapassamos R$ 1 bilhão.”

Escrito por:

Da Agência Anhanguera