Publicado 12/09/2019 - 09h34 - Atualizado // - h

Por Gilson Rei

Administração informou ontem que o ambiente limpo é até mais propício para a presença da fauna urbana

Leandro Torre/AAN

Administração informou ontem que o ambiente limpo é até mais propício para a presença da fauna urbana

Medidas preventivas para evitar enchentes no período de chuvas começam a ser aplicadas pela Prefeitura de Campinas, que iniciou a limpeza e o desassoreamento do piscinão da Via Norte-Sul, no final da Avenida José de Souza Campos.
No local há um berçário de aves migratórias e um dos moradores da região, o advogado José Salomão Fernandes, questionou ontem os serviços. “Vejo que há um exagero na forma que está sendo realizada a obra e a retirada do terreno está causando prejuízos ao meio ambiente, às aves migratórias e aos peixes que habitam no berçário de aves”, reclamou.
A Prefeitura, por meio de sua assessoria, informou que a limpeza do piscinão não prejudica as aves que circulam pelo piscinão, alegando que o ambiente limpo é até mais propício para a presença da fauna urbana.
Quanto aos trabalhos desenvolvidos, a Secretaria Municipal de Serviços Públicos informou que as chuvas previstas nos próximos meses de Primavera e Verão podem resultar em cheias e enchentes em locais de Campinas que apresentam relevo propício à formação de correntes pluviais, principalmente nas áreas mais baixas e locais próximos aos córregos.
Segundo os especialistas da Pasta, o piscinão é importante para represar as águas pluviais porque tem uma área de 90 mil metros quadrados no entrocamento da Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul) com a Avenida Orosimbo Maia. No local, desembocam os córregos Serafim (da Orosimbo) e Proença (da Norte-Sul) que correm por essas duas vias.
A Secretaria Municipal de Serviços Públicos está trabalhando no desassoreamento do piscinão, uma área de 90 mil metros quadrados, que fica no entrocamento da Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul) com a Avenida Orosimbo Maia e onde desembocam os córregos Serafim (da Orosimbo) e Proença (da Norte -Sul) que correm por essas duas vias. O desassoreamento do piscinão é feito duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre, com o objetivo de ampliar a capacidade de armazenamento de água da chuva e dos córregos. Com o serviço, a capacidade do piscinão passa de 130 milhões para 270 milhões litros de água.
Ao todo, deverão ser retirados 500 caminhões de sedimentos até a próxima segunda-feira, dia 16, com cerca de 4 mil metros cúbicos cada. Os sedimentos serão levados ao aterro Delta A. Além de desassorear, o trabalho prevê a retirada de outros materiais descartados irregularmente no local, como lixo e entulho.

Escrito por:

Gilson Rei