Publicado 18/08/2019 - 17h45 - Atualizado 18/08/2019 - 17h45

Por Da TV Press

Estreia na 'Globo' foi uma participação na série 'Casos e Acasos', exibida em 2008

Divulgação

Estreia na 'Globo' foi uma participação na série 'Casos e Acasos', exibida em 2008

Em poucos minutos de conversa, Fabiula Nascimento deixa escapar a personalidade agitada que tem. Um dos indicativos é o fato de gesticular enquanto fala, sempre animada. Essa felicidade estampada no rosto, no entanto, pouco lembra a energia que ela precisa extravasar em cena, na pele de Mariana, em Bom Sucesso.
Afinal, na atual novela das 19 horas, a atriz dá vida a uma mulher comprometida com o trabalho acima de tudo e, por isso, assume uma postura bem mais séria. Mas é justamente essa distância em relação à personagem que mais a instiga. “O registro de voz dela é outro e o de corpo também. Estou trabalhando muito e espero entregar uma coisa bonita”, torce.
Na história, Nana - apelido pelo qual é chamada pelos mais próximos – é filha de Alberto, papel de Antonio Fagundes, e assumiu o comando da editora do pai, que está gravemente doente. Desde a morte de sua mãe, a personagem acumulou múltiplas funções. Além de empresária obstinada, é mãe, dona de casa e vive se esforçando para tudo dar certo. Mas, com o irmão, Marcos, de Rômulo Estrela, a relação não é das melhores.
“Ele é um irresponsável, um ‘bon vivant’ que larga tudo e vai embora porque é muito parecido com o pai”, explica. Já no trabalho, Nana se empenha em salvar a empresa e pagar as contas do negócio em dia. Para isso, tenta ampliar o catálogo de livros da editora. “Um livro de sucesso para uma editora tão antiga e com tantos clássicos poderia salvá-la. Hoje em dia, livros de ‘youtubers’ vendem muito, o que seria uma boa para a editora, mas o pai é totalmente contra”, salienta.
Esta é a primeira novela em que Fabiula se vê inserida em um ambiente familiar completo. Até então, os núcleos de suas personagens se resumiam a poucos parentes. “E Mariana tem milhões de relações: com a filha, marido, irmão, funcionários, editores, pai... Isso abre outros caminhos de comunicação e sentimento, é muito diferente”, afirma.
Em determinado momento, inclusive, a empresária irá descobrir que seu marido, Diogo, de Armando Babaioff, não é apenas infiel e mantém um relacionamento com uma de suas funcionárias, Gisele, de Sheron Menezzes. Ele também irá se revelar um verdadeiro psicopata.
Enquanto isso, Nana nem percebe que Diogo a trai descaradamente. “Ela não é apaixonada e não tem tempo para ficar com ciúmes. Ela está com ele porque, além de ser um cara que a acolheu quando a mãe morreu, é um registro de que está tudo bem. Mas não passa pela cabeça dela que ele é o grande vilão.”
Casada com o ator Emílio Dantas, Fabiula se coloca no lugar de sua personagem e não hesita em afirmar que perdoaria uma traição. Mas tudo dependeria de conversa e das circunstâncias. “As relações são muito maiores do que isso. E acho que cada um tem seu contrato na vida. Só as pessoas que estão dentro da relação é que sabem.” Mas esse assunto não passa de confabulação para a atriz. Feliz no relacionamento e no trabalho, a atriz conta sempre com o apoio de Emílio. “Estamos sempre juntos. Pode ser em um roteiro de 10 páginas ou uma novela de 200 capítulos. Sempre juntos.”
Dentro da história de Bom Sucesso, a literatura se faz bastante presente. Para Fabiula, poder estimular a leitura através de um produto que atinge tantas pessoas, como a novela, é um privilégio. “Eu espero que as pessoas apreciem e tenham vontade de ler, nem que sejam os clássicos.”
Hoje em dia, inclusive, Fabiula carrega um livro por onde vai. Mas nem sempre ela manteve uma relação tão próxima com a leitura. Foi com cerca de 17 anos, quando começou a fazer teatro, que tomou gosto pelos livros. “Comecei a ler tarde, não venho de uma família que tem costume de leitura. Mas acho muito importante introduzir o hábito da leitura. Por isso, o presente que dou aos filhos pequenos de todos os meus amigos é livro”, conta.

Escrito por:

Da TV Press