Publicado 18/08/2019 - 13h31 - Atualizado 18/08/2019 - 13h31

Por Francisco Lima Neto

São muitas as reclamações de pessoas de grupos prioritários sobre a dificuldade em conseguir se sentar nos coletivos

Leandro Ferreira/AAN

São muitas as reclamações de pessoas de grupos prioritários sobre a dificuldade em conseguir se sentar nos coletivos

Paulínia tornou todos os assentos dos coletivos do Município preferenciais para grávidas, mulheres com criança de colo, idosos a partir de 60 anos e pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Uma lei foi aprovada pela Administração no último dia 8. De acordo com a Lei 3.713/2019, proposta pelo vereador José Soares (PRB), somente na ausência desses usuários preferenciais os assentos são livres para uso dos demais passageiros.
Segundo o parlamentar, o número atual de bancos preferenciais não atende à demanda de passageiros dos grupos prioritários. “A população de Paulínia cresce a cada dia e as reclamações da dificuldade dessas pessoas em se assentar nos veículos de transporte, principalmente em horários de pico, são corriqueiras”, diz o vereador na justificativa.
Ele afirma ainda que a população de Paulínia cresce a cada dia e são muitas as reclamações dessas pessoas sobre a dificuldade em conseguir se sentar nos coletivos, principalmente, em horários de pico.
O vereador argumenta que a transformação de todos os assentos em preferenciais já foi adotada em vários municípios do País, proporcionando maior acessibilidade e conforto às pessoas desses grupos prioritários. "Todavia, esta também é uma questão de educação. As pessoas precisam, até por compaixão humana, olhar para o lado e entender as dificuldades do outro, com sensibilidade e gentileza", completa.
Por meio da assessoria de imprensa, a Prefeitura informou que apoia a medida, por isso, ela foi sancionada. "A Administração entende que a iniciativa do autor do projeto visa promover a conscientização da população. Para isso, vai notificar as empresas para que reforcem a comunicação e orientem os motoristas sobre a lei. A Secretaria de Transportes ainda informa que vai começar uma campanha educativa com o objetivo de reforçar a prioridade dos assentos", garante.
Vale ressaltar, que a lei tem caráter mais educativo do que punitivo. Não vai existir um fiscal para garantir que a nova lei seja cumprida, menos ainda algum tipo de multa ou sanção. Mas os motoristas serão treinados para que possam interferir em situações extremas e garantir que o público-alvo faça uso do benefício.
A aposentada Benedita Araújo de Paula, 77, que sempre utiliza o transporte público, sozinha ou acompanhada do marido, Antonio Silvestre de Paula, 81, aprova a medida. “Eu acho ótima essa mudança porque às vezes é bem difícil para a gente. Muitas vezes a gente chega no ônibus e já têm outros idosos nos bancos preferenciais, aí as outras pessoas não levantam para dar lugar. Eu espero que agora isso mude e melhore um pouco”, comemora.

Escrito por:

Francisco Lima Neto