Publicado 14/08/2019 - 07h46 - Atualizado 14/08/2019 - 07h46

Por Maria Teresa Costa

A expansão da indústria contribuiu para o crescimento regional do PIB, que seguiu o perfil do Estado

Cedoc/RAC

A expansão da indústria contribuiu para o crescimento regional do PIB, que seguiu o perfil do Estado

O Produto Interno Bruto (PIB) da região administrativa de Campinas cresceu 1,6% em 2018 em relação ao ano anterior, segundo dados do PIB Regional divulgados ontem pela Fundação Seade. O desempenho regional foi pouco maior que o alcançado pela economia paulista no período, de 1,4%, e ficou acima do crescimento do Brasil, que registrou aumento de 1,1% no ano passado, o que mostra que a recuperação da economia segue lenta.
A produção de riquezas na região de Campinas, formada por 82 municípios, foi de R$ 389,8 bilhões, uma participação de 17,5% no PIB paulista e representou o quarto melhor desempenho no Estado — ficou abaixo das regiões de Sorocaba, com 3,6%, e de Bauru e São José dos Campinas, que registraram crescimento de 2,4% cada.
O crescimento regional seguiu o mesmo perfil do Estado, que no ano passado foi puxado pela expansão da indústria e dos serviços, que cresceram 0,9% e 1,9%, respectivamente, enquanto a agropecuária retraiu-se em 2,6%.
A melhora da economia foi frustrante em relação às expectativas iniciais, após 2017 dar sinais de retomada mais forte. Naquele ano, a região registrou um aumento de 3,1% no PIB, que parecia indicar o fim da recessão estadual que havia perdurado nos três anos anteriores.
“No ano passado o mercado revisou para baixo várias vezes as previsões do PIB porque pelo menos três fatores influenciaram o desempenho da economia. Tivemos uma greve de caminhoneiros no início do ano, tivemos um ano de incertezas políticas, foi ano de eleição e junto tivemos uma piora do cenário internacional”, afirmou o economista e consultor de investimentos José Roberto Alencar.
Segundo ele, tanto o PIB brasileiro, quanto o estadual e o regional estão no mesmo patamar que apresentava no início de 2012. “Isso mostra que a recuperação segue em ritmo lento”, disse. O mercado, afirmou, revisou mais uma vez para baixo a estimativa de crescimento do PIB para 2019, de 0,82% para 0,81%.
“O País registrou queda no PIB no primeiro trimestre deste ano, e se o segundo trimestre for igual, estaremos em recessão técnica”, disse.
Segundo a Fundação Seade, a trajetória do PIB não foi uniforme ao longo dos últimos 16 anos entre as regiões do Estado. O período 2002-2018 pode ser analisado a partir de quatro momentos distintos, segundo os ciclos econômicos. A fase compreendida entre 2003 e 2008 foi marcada pela expressiva expansão da atividade econômica em todas as regiões paulistas. Favorecidas especialmente pelo crescimento do consumo doméstico, pela expansão dos investimentos e pelo boom dos preços das commodities, as regiões mais industrializadas alcançaram expressivas taxas de crescimento no período (4,6% ao ano). Nesse período, o PIB da região de Campinas cresceu 5,2% ao ano.
Entre 2009 e 2013, segundo a Seade, houve uma desaceleração da atividade econômica do Estado, mas mesmo assim a região teve crescimento médio anual de 4,8%. O ano de 2014 foi marcado pela profunda crise da atividade econômica do Estado, que se estendeu até 2016 e provocou fortes impactos regressivos em toda a economia paulista, se expressando com maior intensidade na indústria de transformação. Foram determinantes para esse processo a retração da produção e do investimento, o enfraquecimento do ciclo de consumo doméstico e a queda das exportações de produtos industrializados. Nesse período, a região de Campinas teve um crescimento negativo anual de 3,8%.
A partir de 2017, com a retomada da atividade global e a adoção de medidas de incentivos internos, como a ampliação do crédito às famílias e redução dos juros, a economia paulista entrou em processo de modesta e lenta recuperação, puxada inicialmente pela reativação da indústria — fato que se reflete no crescimento das regiões mais industrializadas. A região de Campinas teve crescimento médio anual entre 2017 e 2018, de 1,8%.
CRESCIMENTO DO PIB EM 2018
Região                         %
Sorocaba                     3,6
Bauru                          2,4
São José dos Campos   2,4
Campinas                    1,6
São Paulo                    1,4
Estado de São Paulo     1,4
Franca                         1,1
Santos                         1,0
Barretos                       0,5
Marília                          0,2
Central                         0,1

Escrito por:

Maria Teresa Costa