Publicado 04 de Julho de 2019 - 10h16

Por Maria Teresa Costa

Usina solar fotovoltaica da TMW Energy, que está sendo instalada no bairro Carlos Gomes, gerará energia para abastecer 3 mil residências

Divulgação

Usina solar fotovoltaica da TMW Energy, que está sendo instalada no bairro Carlos Gomes, gerará energia para abastecer 3 mil residências

A Região Metropolitana de Campinas terá a quarta usina solar fotovoltaica em funcionamento este ano, três delas em Campinas. A TMW Energy, de energia renovável e sustentável, pertencente ao Grupo Royal FIC, anunciou ontem investimentos de R$ 21 milhões na implantação de uma usina em Campinas, que gerará energia suficiente para abastecer 3 mil residências. A usina fotovoltaica está sendo instalada no bairro Carlos Gomes e iniciará produção em setembro. A energia produzida será equivalente a mais de 4,3 toneladas de dióxido de carbono (CO2) neutralizado e mais de 20 mil árvores plantadas.

Segundo a TMW, será a maior do Estado de São Paulo e a maior do Brasil com painéis fotovoltaicos nacionais. Os painéis foram produzidos em Campinas, pela chinesa BYD. Ela ocupará terreno de cerca de 80 mil metros quadrados e terá 14,4 mil módulos fotovoltaicos de 330 kMp. A usina terá potência instalada de 4,75 MWp, com projeção de geração de 7.318.000 kWh de energia ao ano.

Na primeira fase, o modelo de negócios será o de geração compartilhada, para atender empresas. Na segunda fase, vai atuar no mercado de energia livre. No modelo adotado na primeira fase, empresas consumidoras formam um consórcio e investem na usina fotovoltaica alugando cotas dentro do parque solar. Em troca, o que é chamado de sistema de compensação de energia, as empresas recebem em sua conta de energia os créditos de desconto. A economia gerada pode variar entre 10% e 20%.

“Nessa modalidade, os clientes não terão que fazer investimentos com placas fotovoltaicas nos telhados de suas empresas e nem bancar os custos com operação e monitoramento da usina. Nós é que financiaremos isso. Ao alugar as cotas, os clientes não irão sofrer com a variação de bandeiras (Verde, Amarela e Vermelha) em suas contas, além de o reajuste do contrato ser elencado pelo IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), índice menor que o reajuste energético, que no último ano foi na média de 8,66% nas tarifas da CPFL paulista, distribuidora do nosso raio de atuação”, informou o gerente de projeto da TMW Energy, Eduardo de Mello e Lima.

A construção da usina de energia solar TMW Energy ficará a cargo da Alsol Energias Renováveis, empresa do Grupo Energisa especializada em geração distribuída utilizando diferentes fontes renováveis.

Operação

Na região de Campinas existe uma usina em operação, da CPFL Energia, no bairro Tanquinho. Outra está sendo instalada em Americana, pela CPFL Soluções, do grupo CPFL Energia, um investimento de R$ 4,6 milhões, que terá capacidade de geração de 1.771 MWh por ano, suficiente para abastecer 738 residências com consumo médio de 200 KWh/ano. A previsão dessa usina em Americana, que também atuará na área de energia distribuída, é que a energia gerada contribuirá pata evitar a emissão de 131 toneladas de dióxido de carbono, o equivalente ao plantio de 900 árvores.

Em abril, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) inaugurou uma usina fotovoltaica para produzir energia limpa. O ginásio multidisciplinar recebeu o maior conjunto de painéis solares e outros cinco prédios da instituição também receberão painéis. A geração de energia solar é parte do programa Campus Sustentável, programa em parceria com a CPFL Energia e com apoio da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e da empresa BYD, que doou parte dos painéis (15% do total instalado).

Escrito por:

Maria Teresa Costa