Publicado 29/06/2019 - 06h00 - Atualizado 28/06/2019 - 12h46

Por Do Correio

Feira no bairro Jardim Aurélia

Reprodução

Feira no bairro Jardim Aurélia

EIS AQUI O BAIRRO JARDIM AURÉLIA
Os moradores reclamam da constante falta de água. Segundo as donas de casa, o líquido precioso só corre nas torneiras à noite. No meio do dia, que é quando justamente mais se precisa da água, as torneiras permanecem sêcas. Muitas ruas, além de não estarem ainda pavimentadas, não contam com um serviço de conservarão o que as deixa em estado lastimável. Mas, ao lado dessas coisas ruins, existem outras boas, tais como algumas ruas pavimentadas, satisfatório serviço de transporte coletivo, um comércio que, apesar de humilde, serve bem aos moradores, escolas e outros. Em rápidas linhas, estas são as duas facetas do núcleo residencial que "Nossos Bairros São Assim" aborda hoje, graças à colaboração da leitora Ilda Vendimiatti. Trata-se do Jardim Aurélia, núcleo de recente formação, e cujo progresso, principalmente nêstes últimos anos foi notório.
 
VII FESTIVAL DO CORREIO: ENCERRAM-SE INSCRIÇÕES
A medida em que nos aproximamos da realização de mais um festival de teatro amador, patrocinado por esta folha, cresce o entusiasmo entre os participantes, as informações solicitatas aumentam na proporção direta do sucesso que já se pode antever. O nosso festival, que nasceu modesto, como todos os grandes empreendimentos, a cada ano que passa vê aumentado o seu prestigio e, também, os frutos de um trabalho, desinteressado vão se multiplicando. De um certame para outro o seu nível vem num crescendo, o que por si só já é motivo de maior esmero tanto de nossa parte, na organização, como da parte dos concorrentes.
 
O PAÍS URUGUAI VOLTA AO NORMAL
O govêrno uruguaio conseguiu dominar a situação na noite de ontem, depois da greve e de atos de sabotagens que privaram o país de energia elétrica, quinta-feira, declararam hoje aqui meios oficiais. Acrescentaram que o movimento grevista e os atentados provocaram mais de três milhões de dólares de perdas. A distribuição de eletricidade foi restabelecida, completamente ontem à noite, mas mais de 600 mil empregados da Emprêsa de Energia Elétrica do Estado (UTE) se achavam ainda detidos, ou na clandestinidade, com ordem de detenção lançada pela Justiça Militar. A greve dos jornais e dos depósitos frigoríficos — que já entrou em seu 80.o dias — continuava hoje no setor privado.

Escrito por:

Do Correio