Publicado 04 de Setembro de 2018 - 23h11

Por Maria Teresa Costa

No quesito mobilidade, o Município saltou da 17ª colocação para a 5ª em apenas um ano: avanço importante

Leandro Ferreira/AAN

No quesito mobilidade, o Município saltou da 17ª colocação para a 5ª em apenas um ano: avanço importante

Campinas saltou da 8ª posição no ano passado para o 4º lugar este ano, no ranking das cidades inteligentes, divulgado nesta terça-feira no Connected Smart Cities, em São Paulo. Principal estudo sobre cidades inteligentes, realizado pela Urban Systems e Sator, o ranking tem a participação de 700 cidades, analisadas a partir de 70 indicadores. Na edição deste ano, Curitiba aparece em primeiro lugar, seguida de São Paulo e Vitória. Campinas não melhorou mais porque perdeu pontos em saúde, meio ambiente, segurança e educação.

O ranking é definido por indicadores que analisam mobilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo e governança. Segundo a Urban System, o ranking considera conceito de conectividade, investimentos em saneamento, importância da educação na formação e reprodução dos potenciais das cidades e sustentabilidade econômica. Feito com o objetivo de mapear as cidades com maior potencial de desenvolvimento no Brasil, por meio de indicadores que retratam inteligência, conexão e sustentabilidade.

Em mobilidade, a cidade saiu da 17ª para a 5ª posição; saltou da 6ª para a 5ª em tecnologia e inovação; da 7ª para a 3ª em empreendedorismo; da 8ª para a 2ª em economia; perdeu uma posição em urbanismo; caiu da 14º para a 30º lugar em meio ambiente, ficou em 30º em saúde e 36º em segurança – itens em que não havia pontuado no ranking anterior. A cidade também perdeu posição em educação: saiu do 22º lugar em 2017 para 25º este ano e subiu da 44ª para 15ª em governança.

O ranking se baseia no conceito de conectatividade, ou seja, a relação existente entre os diversos setores analisados. O conceito de smart cities considerado entende que o desenvolvimento só é atingido quando os agentes de desenvolvimento da cidade compreendem o poder de conectividade entre todos os setores. O indicador é fomado a partir de dados como mortalidade infantil, automóvel por habitante, cobertura de coleta de resíduos, patentes, entre outros.

O prefeito Jonas Donizette (PSB) que o salto no ranking mostra o esforço que vem ocorrendo no segundo mandato, onde a inovação é o slogan. “A posição no ranking mostra que nosso esforço vem dando resultado, estou feliz, mas quero mais. Campinas tem que estar em primeiro lugar e tem tudo para lidera a revolução que haverá nas cidades. Estou trabalhando internamente, com a ampliação do acesso à internet, com wifi pela cidade, acessibilidade, interação, e também no âmbito internacional para que a cidade se projete cada vez mais”, disse.

O vice-prefeito Henrique Magalhães Teixeira (PSB) esteve no evento e avaliou que o ranking mostra para todo o país a importância da tecnologia e incentiva as cidades a se atualizarem e se tornarem inteligentes. Segundo ele, o salto de Campinas é resultado do trabalho realizado no Município, e por seu próprio perfil de cidade que tem a tecnologia no seu desenvolvimento.

O presidente da Urban Systems, Thomaz Assumpção, o Ranking Connected Smart Cities novamente mostra a importância de um planejamento estratégico das cidades considerando a conexão entre os 11 eixos temáticos analisados e a sinergia existente entre o resultado de investimentos. “A educação, por exemplo, que muitas vezes é visto como um eixo básico, tem uma grande importância no desenvolvimento do empreendedorismo e na busca da sustentabilidade econômica das cidades, permitindo que mais atores sejam responsáveis pelo desenvolvimento da cidade.”

Escrito por:

Maria Teresa Costa