Sinos voltam a embalar fiéis em Sousas
Publicidade

Publicado 18/07/2018 - 08h00 - Atualizado 18/07/2018 - 08h01

Por Henrique Hein

Além das novas unidades, um do antigos símbolos sagrados, que integravam o campanário, foi restaurado

Lizandra Perobeli/Especial para AAN

Além das novas unidades, um do antigos símbolos sagrados, que integravam o campanário, foi restaurado

A Igreja Matriz Sant’Ana de Sousas, em Campinas, vai inaugur no próximo dia 26 de julho, na tradicional festa da padroeira, os novos sinos que lhe foram doados. O campanário continha, há cerca de um século, três sinos: um deles (o maior), fabricado pela empresa paulista de sinos Angeli e outros dois pela antiga companhia de ferros Mc Hary. Desses três, apenas um foi reaproveitado para permanecer na paróquia, enquanto os outros serão aposentados de suas funções. Ambos estão desgastados, trincados e perderam o som.
Por conta disso, outras três unidades foram encomendadas pela igreja, com o intuito de repor as perdas. Os objetos contam com as seguintes características: um de 75 Kg, que traz as inscrições: Ano das Famílias. Dedicado a São Nicolau de Flue, santo suíço intercessor da paz nas famílias; outro de 110 kg, que traz as inscrições: 301 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida. Dedicado ao Sagrado Coração de Jesus e Nossa Senhora Aparecida; e por fim, um de 155 kg, com as inscrições: 110 Anos da criação da Arquidiocese de Campinas - Sumo Pontífice Papa Francisco - Dedicado à Santana, São Joaquim e Nossa Senhora do Bom Conselho (primeira padroeira de Sousas).
Responsável pela chegada dos três monumentos, o padre Marco Amstalden explicou que os novos objetos vão recuperar uma antiga tradição que já está extinta há mais de 15 anos na região, após a morte do ‘Seo Brás’, homem que foi responsável por executar as badalações dos sinos por mais de meio século. “Desde que o Brás morreu, os sinos nunca mais foram tocados da mesma forma. Felizmente, tivemos a sorte de uma organização fechar uma parceira conosco. Eles nos ofereceram os sinos com uma certa agilidade e hoje vivemos a expectativa das subidas do sino nesta quarta-feira”, comentou o padre.
De acordo com ele, os quatro sinos passarão a funcionar por mecanismo eletrônico, badalando diariamente sempre às 12h e 18h, e também meia hora antes das celebrações. Na missa do último domingo, dia 15 de julho, os sinos foram abençoados diante dos fiéis.
Hoje, os sinos estão sendo levados por um guindaste até o campanário. “Por serem objetos centenários e que foram tocados em diversos momentos históricos do país e da igreja, os antigos sinos marcaram a história da nossa comunidade. Eles serão guardados com o intuito de preservar as suas memórias” , revelou emocionado.

Escrito por:

Henrique Hein