População idosa cresce e impulsiona rede de apoio
Publicidade

Publicado 02/04/2018 - 09h02 - Atualizado 02/04/2018 - 09h14

Por Daniel de Camargo

Total de idosos da RMC vai triplicar até 2050; segundo cálculos da Seade, haverá um acréscimo de 1,5 milhão de pessoas nessa faixa etária

Leandro Ferreira

Total de idosos da RMC vai triplicar até 2050; segundo cálculos da Seade, haverá um acréscimo de 1,5 milhão de pessoas nessa faixa etária

A população idosa da Região Metropolitana de Campinas (RMC) vai triplicar até 2050, chegando a 2,2 milhões de moradores. Segundo projeções da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Fundação Seade), será registrado um acréscimo de 1,5 milhão de pessoas, que passarão a integrar essa faixa etária. O Censo Demográfico de 2010, o último realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que 738.269 cidadãos com mais de 60 anos residiam, na época, no território. Os números já impactam no mercado de trabalho, por exemplo na área da saúde, motivando empresários a disponibilizar serviços voltados à assistência domiciliar. 
Há dois anos e meio, Jéssica Pontes decidiu investir nesta área, criando em sociedade a Senilar Cuidadores, empresa situada em Valinhos, que já formou mais de 40 profissionais qualificados no atendimento ao idoso. Esse montante aumentará este mês, quando a empresa dará início à sua quinta turma.
“A formação tem como objetivo desenvolver profissionais aptos a prestar um cuidado humanizado e personalizado para cada paciente, sem privá-lo de sua autonomia e independência. Além disso, a intenção é criar um vínculo efetivo entre cuidador, paciente e familiares, a fim de que a assistência seja efetiva”, destaca a sócia-proprietária da Senilar, sobre a importância das aulas ministradas ao longo do processo. Formada em enfermagem, ela atua há mais de cinco anos assistindo idosos.
Jéssica ressalta também que o trabalho desenvolvido na capacitação vai além da atenção às necessidades básicas do paciente, por exemplo, higiene pessoal, alimentação e administração de medicamentos. “O cuidador tem o papel de estimular novos conhecimentos, atividades de lazer, recreação e cultura, proporcionando ao paciente bem-estar e qualidade de vida”.
Cliente da Senilar, Inês Tordin, de 75 anos, revela que passou os piores momentos da vida quando descobriu que o marido tinha Alzheimer.
“Confesso que eu era resistente a ter alguém estranho em minha casa, mas a Jéssica, com seu carinho, atenção e responsabilidade, ajudou-me muito, tanto nos cuidados com ele quanto comigo mesma. Nos tornamos amigas e hoje sei que posso chamá-la a hora que eu precisar que terei os mesmos cuidados e carinho recebidos antes”.
Treinamento tem aulas teóricas e práticas
O curso destinado a familiares e a pessoas que pretendem iniciar na área tem carga horária de 160 horas, distribuídas entre aulas teóricas, práticas e complementares, e, como pré-requisito, é necessário que os interessados tenham acima de 18 anos e Ensino Fundamental completo.
Para as aulas de conduta, a empresa conta com parcerias com casas de repouso, nas quais os alunos podem desenvolver as habilidades e experiências necessárias. O treinamento custa R$ 750.
A formação de novos cuidadores é parte dos trabalhos realizados pela Senilar, que tem como foco principal a assistência em domicílio, que vai desde o processo de admissão de profissionais, passando por treinamentos, monitoramento e a gestão das equipes já no exercício da função.
Formação para atender a demanda é fundamental
Maior cidade da RMC, Campinas tem, desde 1992, o Conselho Municipal do Idoso, instituído por lei, que visa fiscalizar, coordenar, supervisionar e avaliar as políticas municipais, garantindo os direitos assegurados a essa população. O CMI atua também junto a profissionais ligados à temática e entidades que atendem esses cidadãos. 
De maneira geral, os prestadores de serviços, dos mais variados ramos, buscam se qualificar e apresentar diferenciais ao público-alvo. O hospital particular Vera Cruz de Campinas, por exemplo, recebeu em 2017, o selo Hospital Amigo do Idoso, concedido pelo governo do Estado de São Paulo na sua categoria inicial, graças à adesão e ao empenho dos colaboradores de diversas áreas, que foram treinados para disseminar as boas práticas e a importância do atendimento humanizado para estes pacientes.
Clínicas e casas de repouso formam um importante cinturão de apoio. Há várias delas na cidade. Boa parte conta com ampla infraestrutura, com áreas de convivência como jardins, disponibilizando também procedimentos fisioterapêuticos e ambulâncias particulares para eventuais remoções. Os espaços valorizam o bem-estar e o descanso.
CENSO
O último censo demográfico realizado pelo IBGE em 2010 aponta que a população idosa de Campinas era de 133.811 habitantes, no período
CÁLCULO
Projeção da Seade calcula que os idosos vão representar 64% da população da RMC em 2050.

Escrito por:

Daniel de Camargo