A Ponte Preta fora do Majestoso
Publicidade

Publicado 17/06/2017 - 00h01 - Atualizado 17/06/2017 - 14h36

Por Carlo Carcani Filho

A Ponte Preta entra em campo hoje em busca de sua primeira vitória fora de casa no Brasileirão. Até aqui, perdeu para Botafogo, Atlético-GO e Flamengo e empatou com o Atlético-MG. Somando com o Brasileirão de 2016, já são 16 partidas seguidas sem triunfos fora do Moisés Lucarelli. Foram 11 derrotas e cinco empates. Esses números são alarmantes? Não, desde que, claro, a Macaca continue rendendo bem em casa.
É muito difícil — para qualquer time — vencer fora no Brasileirão. Além da Ponte, mais dez times ainda não ganharam como visitantes no Brasileirão 2017. Dessa turma fazem parte times como Atlético-MG, Botafogo, São Paulo, Palmeiras e Vasco. Está claro, portanto, que é muito difícil fazer viagens de volta com três pontos na bagagem durante a Série A.
Mas, para alcançar seus objetivos, qualquer clube precisa fazer coisas difíceis. Compreendo que a Ponte Preta inicie as partidas com um postura cautelosa. Mas é preciso adicionar a essa estratégia uma pitada de ousadia para contra-atacar.
Confiança é o que tem faltado à Ponte Preta fora do Moisés Lucarelli, onde é temida e respeitada por qualquer adversário. Mas, na casa dos outros, a Macaca não intimida. Com exceção do excelente segundo tempo em Belo Horizonte (se defendeu bem, fez gols e criou muitas chances), a equipe teve uma postura extremamente defensiva.
Gilson Kleina precisa fazer com que seu time incomode os mandantes, além de reconhecer que a atual estratégia não tem apresentado bons resultados. Para aumentar sua média de 0,25 ponto por jogo fora de casa, a equipe precisa contra-atacar com mais frequência.
A Ponte foi para o intervalo perdendo nos quatro jogos, um claro sinal que ficar atrás o tempo todo não tem sido eficiente. É evidente que são grandes as chances de isso acontecer novamente hoje, diante de um adversário que tem ótimo aproveitamento no Pacaembu e que vem de três vitórias.
Kleina tem que preparar sua equipe para suportar uma blitz inicial do Santos e também para jogar com a bola nos pés. Não se trata de ter mais posse, de finalizar mais, de envolver o Peixe no Pacaembu.
O segredo é ter capacidade para se defender e também para contra-atacar. Isso não apenas dá um respiro ao sistema defensivo, como também pode quebrar o plano de jogo de Levir Culpi. Ganhar fora de casa no Brasileiro é muito difícil. Mas é preciso tentar sempre para, de vez em quando, alcançar o objetivo.

Escrito por:

Carlo Carcani Filho