Publicado 08 de Março de 2017 - 23h00

Por Sheila Vieira

Campanha de prevenção renal realizada em ano anterior no Largo 
do Rosário: este ano será feita no dia 19, na Praça da Concórdia

Cedoc/ RAC

Campanha de prevenção renal realizada em ano anterior no Largo do Rosário: este ano será feita no dia 19, na Praça da Concórdia

O Dia Mundial do Rim, celebrado nesta quinta-feira (9), contará com duas atividades em Campinas, entre elas uma palestra com entrada franca, a partir das 18h, no Hospital Vera Cruz, que promove a II Jornada Paulista de Prevenção e Tratamento da Doença Crônica. No dia 19, uma força-tarefa com mais de 20 voluntários atenderá o público, das 8h às 12h, na Praça da Concórdia, no Campo Grande.

As ações, promovidas pela Clínica Humânitas e pelo Instituto do Rim e Hipertensão de Campinas, em parceria com a Prefeitura de Campinas, têm como objetivo conscientizar a população sobre a prevenção da doença renal crônica.

Em sua 11ª edição, a campanha traz o tema “Obesidade e a saúde dos rins”, durante a Semana Municipal da Prevenção às Doenças Renais Crônicas, em razão dos males que o sobrepeso ocasiona ao organismo, entre eles, a relação direta com as doenças renais.

O diretor-presidente do Instituto do Rim, Marcelo Morelli, alerta para a importância da prevenção e da detecção inicial das doenças nos rins, que no primeiro estágio — dos cinco classificados, com hemodiálise a partir do 4° estágio — é reversível e controlada.

“A doença renal crônica é progressiva e incapacitante. Quando atinge estágios avançados provoca complicações cardiovasculares, aneurisma e infarto. Entre os pacientes em tratamento de hemodiálise, 20% vão a óbito, e 70% dos dignosticados não sabiam sobre a doença”, ressalta o especialista.

Em Campinas, as estatísticas apontam que as doenças renais afetam 13% da população. Trata-se de um mal silencioso nos seus estágios iniciais, e os primeiros sinais e sintomas só aparecem quando já há comprometimento de 50% do funcionamento dos rins.

No domingo, a Praça da Concórdia vai receber uma estrutura montada para coleta de sangue para medir o nível de creatinina, substância presente no organismo que indica as condições de funcionamento dos rins. Também será coletada urina para exame, realizado pelo laboratório do Vera Cruz, com entrega imediata de resultado para infecção na urina, triagem para cálculos renais e proteinúria, que é a perda excessiva de proteínas no material coletado.

Morelli diz, ainda, que fatores de risco como histórico de infecção urinária, diabetes, tabagismo e parentes com doenças crônicas renais submetidos à hemodiálise, também serão analisados para o encaminhamento dos pacientes para atendimento especializado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), com apoio do Instituto do Rim, entidade filantrópica e de utilidade pública.

Uma estrutura com tenda e banheiro químico será utilizada para atender o público.

No ano passado, a ação gerou 500 exames, além de distribuir folhetos e esclarecer dúvidas sobre a doenças que afetam os rins.

“A campanha vai focar a obesidade. Metade dos pacientes com a doença são economicamente ativos, outra parte envolve adolescentes e jovens, parcela da população na qual os casos de obesidade aumentam a cada ano”, aponta o diretor-presidente do Instituto do Rim.

A falta de orientação e o sobrepeso leva os jovens a sobrecarregar os rins durante a infância e adolescência e, ao atingirem a fase adulta, já desenvolveram doenças renais crônicas, lesionando os glomérulos (estruturas do rim) que geralmente aumentam de tamanho.

À noite, no Hospital Vera Cruz, será realizada a II Jornada Paulista de Prevenção e Tratamento da Doença Crônica, com a presença do secretário municipal de Saúde, Carmino de Souza, além de representantes e gestores de saúde de diversas cidades da Região Metropolitana de Campinas.

O evento abordará a importância das Parcerias Público-Privadas para a otimização da gestão da saúde na cidade e duas palestras com profissionais reconhecidos no tratamento de doenças renais.

O impacto do transplante renal para a Sociedade Brasileira na qualidade de vida dos portadores de doença renal crônica, passado, presente e futuro — será ministrada pelo médico José Medina Pestana, professor da Unifesp e diretor do Hospital do Rim e Hipertensão (Sonesp). A segunda palestra será apresentada por Nestor Schor, professor de nefrologia na Unifesp, que abordará o tema “Água como medicamento”. 

Escrito por:

Sheila Vieira