Publicado 13 de Agosto de 2016 - 19h35

Por Maria Teresa Costa

Hanna recebeu um novo canino produzido pela equipe de design em 3D do Centro Renato Archer: futuro

Divulgação

Hanna recebeu um novo canino produzido pela equipe de design em 3D do Centro Renato Archer: futuro

A labradora Hanna, de 1 ano e 3 meses, é o primeiro animal a utilizar uma prótese dentária de cromo-cobalto, impressa em tecnologia 3D. O procedimento, inédito na odontologia-veterinária, foi realizado no Centro Universitário Unimonte, em Santos, no mês passado, a partir da impressão 3D do dente incisivo realizada em Campinas, no Centro de Tecnologia da Informação (CTI) Renato Archer. A parceria do CTI com a equipe da Unimonte já havia salvado a vida de Gigi, uma arara-canindé, em fevereiro, com o implante de um bico fabricado com tecnologia de impressão 3D, mas em titânio.

Hanna recebeu um novo canino produzido pela equipe de design em 3D do Centro Renato Archer: futuro

A cadela tinha uma fratura em um dente incisivo, o que incomodava muito quando se alimentava. O animal sentia dor e chegou a fazer um tratamento de canal. A equipe decidiu inovar e construir uma prótese com alta tecnologia. A prótese foi desenvolvida pelo designer em 3D Cícero Moraes, que vem utilizando a tecnologia para fazer reconstrução facial de santos e personagens da história.

“A nossa proposta com esse trabalho foi inovar, utilizando uma tecnologia que hoje é cara, mas que pode baratear consideravelmente nos próximos anos, a partir da difusão do procedimento, para ficar acessível ao grande público. A técnica utilizada na veterinária também pode ser aplicada em humanos”, disse Moraes.

Uma das inovações foi utilizar a fotogrametria para reconstruir o dente. Ele recebeu fotos do molde dentário do animal e usou o dente incisivo do lado esquerdo para produzir 64 imagens que formaram um novo molde, mas digital. Esse molde digital foi enviado ao CTI, responsável pela impressão 3D do material. A liga de cromo-cobalto foi utilizada por sua biocompatibilidade, pela possibilidade de reprodução de detalhes e baixo custo.

Hanna recebeu um novo canino produzido pela equipe de design em 3D do Centro Renato Archer: futuro

O veterinário Roberto Fecchio, que integra o grupo conhecido Animal Avenger, planeja estender a técnica a outros animais, porque a prótese em 3D é precisa e não há desperdício de material. Hanna terá que tomar alguns cuidados, como ocorre quando as pessoas colocam uma prótese dentária. Por exemplo, não vai poder mais brincar com ossos muito duros e nem brinca de puxar coisas com o dente, já que o incisivo agora tem uma sensibilidade diferente dos demais, porque passou por tratamento de canal.

A arara-canindé, que em fevereiro recebeu um bico de titânio, se adaptou bem à prótese e virou notícia em vários países. O designer Cícero Moraes coletou notícias em 19 idiomas, incluindo birmanês, canarês, russo, hindi, chinês e Gigi também foi notícia nas grandes emissoras de TV americanas, como FOX e CBS. “A recuperação foi muito grande. Não esperávamos esse alcance todo”, disse.

Fecchio instalou a prótese de Gigi com adesivo ósseo e fixou com parafusos ortopédicos no bico original — logo após a cirurgia, a ave já se alimentava sem dificuldade, como aconteceu com a gansa Vitória que, ninguém sabe como aconteceu, teve o bico arrancado e foi localizada em Ubatuba. A prótese permitiu ao animal se alimentar, o que salvou sua vida.

Escrito por:

Maria Teresa Costa