Publicado 13 de Agosto de 2015 - 21h48

Por Delma Medeiros

O ator Edson Lozano e o músico Agnaldo Araújo protagonizam Ser Tão Caipira

Divulgação

O ator Edson Lozano e o músico Agnaldo Araújo protagonizam Ser Tão Caipira

O caipira Januário recebe em seu rancho, na roça, a visita de um amigo da cidade que não via há tempos, um veterinário, violeiro e cantador. O encontro é o ponto de partida do espetáculo Ser Tão Caipira, criação e direção de Edson Lozano, da Cia. Sia Santa, com supervisão artística de Crispim Gomes e Jorge Fantini e direção musical de Agnaldo Araújo. A montagem faz curta temporada este final de semana em Joaquim Egídio. A visita inesperada depois de longo tempo, gera motivos, ingredientes e condições para introduzir os espectadores em um autêntico universo caipira onde impera a viola com suas músicas de raiz, a prosa, a poesia, os causos bem humorados contados pelo caboclo e, claro, o famoso cafezinho do Januário.

Ambientado numa típica cozinha caipira, o espetáculo promove 60 minutos de mergulho na mais pura atmosfera de brasilidade, mostrando a alma da cultura caipira ao abordar questões como o amor, a paquera, o casamento, a viola, a música e o linguajar. “Enquanto rola a conversa e as músicas, Januário prepara um cafezinho que depois é servido para a plateia”, adianta Araujo. O cantor não participa das apresentações dessa temporada porque estará em um festival em Ponta Grossa (PR). Em seu lugar, entra em cena o cantor e violeiro Carlos Kbelo. “O espetáculo mostra que a riqueza de uma língua está em sua diversidade, pois não há certo nem errado em matéria de linguística”, coloca Lozano. “A proposta é apresentar um espetáculo singelo e tocante, que emociona, diverte e faz pensar em valores esquecidos e desprestigiados”, avalia o ator e autor do texto. As apresentações integram a programação da Festa dos Padroeiros da Comunidade de Joaquim Egídio. Lozano é ator profissional desde 1980. Já participou de 28 espetáculos infantis, 14 adultos, dez vídeos de treinamentos empresariais, documentários, comerciais de televisão, um longa metragem e há cinco anos vem garimpando e encenando a cultura caipira. Araújo iniciou sua carreira no começo nos anos 1990, tem três álbuns gravados, participou de vários festivais de música pelo Brasil e do Mapa Cultural Paulista. Toca MPB, rock e agora música de raiz.

Nesta sexta e sábado, às 20h30 e domingo às 11h, no Casarão da subprefeitura de Joaquim Egídio (Rua Heitor Penteado, esquina com José Inácio, Joaquim Egídio). Entrada franca, distribuição de convites com uma hora de antecedência. 

Escrito por:

Delma Medeiros