Publicado 02 de Novembro de 2014 - 5h00

É consenso que aviões despertam os mais variados tipos de sentimentos entre as pessoas. Têm aqueles que associam a viagem, as férias, a reencontros com familiares distantes. Outros, de tanto viajarem a trabalho, reduzem a um meio de transporte rápido e eficaz. Há ainda os que sentem fobia ao pensar em voar, e só conseguem fazer à base de tranquilizante, e olhe lá.

Porém, para alguns, os aviões despertam mais do que paixão. Não se contentam ao fato de olhar e gostar, simplesmente. Mas, sim, precisam passar horas olhando para o céu em pontos estratégicos para venerar e registrar os gigantes de asas.

 

O grupo de amantes dos aviões é conhecido em todo o mundo como plane spotters (observadores de aviões) ou entusiastas. Em Campinas, se reúnem principalmente aos finais de semana no Aeroporto de Viracopos. Lá, fotografam as aeronaves que pousam e decolam, além de trocarem muitas figurinhas sobre o tema.

 

Compartilhamento

As fotos acabam compartilhadas em comunidades criadas nas redes sociais, onde milhares de apaixonados pelo hobby, em diversos cantos do Brasil e do mundo, podem visualizar as imagens produzidas pelos aficionados por fotografias de aeronaves.

 

Viracopos fascina os adeptos da prática devido também ao grande número de aeronaves cargueiras. O aeródromo é o principal do País do setor. As gigantes são sempre foco dos praticantes. Como não há um local específico e construído para a prática, eles acabam tendo que se virar para conseguirem pontos mais altos onde é possível ter uma imagem de qualidade e próxima do alvo. Com suas câmeras, muitas delas profissionais, sobem em morros, estruturas metálicas e até no capô de veículos. Só para estar mais perto das aeronaves e conseguir um ângulo exclusivo.

 

Amplo conhecimento

 

Mas quem pensa que os adeptos são vidrados apenas nas imagens, está enganado. Um spotter sabe tudo sobre o avião, desde modelo, capacidade, especificidade e até o momento em que ele vai pousar ou decolar no aeródromo. Esse último graças a programas de smartphones que permitem ouvir a comunicação com a torre de controle e, também, seguir a aeronave por meio de satélite, em qualquer lugar em que ela esteja.

O ponto preferencial dos praticantes em Viracopos fica do lado oposto ao da pista do aeroporto. Atravessando a Rodovia Santos Dumont (SP-075), na rua que é continuação a Rodovia Miguel Melhado, no Campo Belo. A prática tem crescido nos últimos anos. Aos finais de semana chega a juntar 30 pessoas que aos poucos vão se aglomerando à beira da estrada.

 

Do nada aparece um, dois, três carros que estacionam nas laterais da rua, além de motos e até bicicletas. Muitas vezes são famílias, pais que passam a paixão aos filhos.

 

Falta de segurança

 

Porém, o grande número de assaltos têm afastado os praticantes do ponto (leia mais ao lado). “Comecei a praticar ainda criança com meu pai e meu irmão. Assitia a filmes e me empolgava. Antes havia uma estrutura onde conseguíamos ver e fazer as fotos, mas com o passar dos anos e as reformas no aeroporto a área foi englobada pelo terminal”, afirmou o analista Alexandre Barreto, de 29 anos, praticante assíduo de spotting.

 

Roubo de celulares e máquinas fotográficas está afastando entusiastas de área próxima da pista

 

 

Barreto já fez curso de piloto, mas devido ao alto custo da profissionalização desistiu da carreira e, aos finais de semana, costuma passar horas fotografando as aeronaves em Viracopos junto com o irmão gêmeo Adriano Barreto, que também é apaixonado pelas aeronaves. “É um hobby diferente e que tem praticantes em todo o mundo. Aprendi com meu irmão e hoje tenho paixão e ficamos horas buscando o melhor ângulo”, disse. 

 

Caçador de aeronaves

 

Outro praticante é Valdemir Prates, de 40 anos. Ele sempre trabalhou com transporte executivo no aeroporto e passou a prestar mais atenção aos aviões e se apaixonou. “Hoje sou um caçador de aeronaves, principalmente as cargueiras e as fotos ficam sensacionais. Depois de tirá-las compartilho na comunidade”, afirmou. Viracopos possui duas comunidades no Facebook relacionada à prática. Juntas são 2.552 membros (SBKP/VCP e VCP/SBKP).

 

“É muito legal de final de semana quando motoristas que estão na rodovia se unem a gente para olhar as aeronaves. Tem gente que vem de outras cidades para praticar”, afirmou Alexandre.

 

No Brasil, segundo os praticantes, tem aumentado o número de airplane spotting. Alguns fazem viagens de turismo com a finalidade de fotografar aviões, outras incluem dois ou três dias a mais em suas viagens apenas com esta intenção.

 

Pelo mundo

Pelo mundo há grandes aeroportos como na Áustria, Japão, Suíça e EUA que têm terraços ou áreas dedicadas aos que pretendem fotografar, filmar ou simplesmente observar o movimento das aeronaves. Na Europa, a cobrança de taxa para entrar em um determinado espaço destinado a fotógrafos-spotters é prática comum.

  

Apesar de apaixonante, a prática tem preocupado os spotters. Nos últimos meses cinco praticantes foram alvos de assaltantes no ponto onde eles costumam ficar. Ladrões de motos ou até mesmo a pé levam câmeras, dinheiro, celulares e veículos dos praticantes. Por conta das ocorrências, os praticantes mudaram de local e passaram a fazer as fotos dentro do sítio aeroportuário, em uma via desativada e paralela a pista.

 

Vítima

 

“O problema daqui é que o morro atrapalha muito a visão. Infelizmente não temos segurança do outro lado, no Campo Belo. Já tive o carro levado e perdi equipamento. Agora mudamos pra cá, mas mesmo assim temos receio dos assaltantes começarem agir aqui”, afirmou um praticante que se identificou apenas como B.A.

 

Foto: Edu Fortes/ AAN

Motoristas também param na rodovia próxima da cabeceira para observar e registrar as imagens

Motoristas também param na rodovia próxima da cabeceira para observar e registrar as imagens

 

 

“Lamentavelmente o aeroporto ainda não tem espaços seguros com vista para a pista ou pátio destinado a receber os entusiastas e suas famílias. A falta de segurança tem afugentado a prática”, afirmou outro entusiasta, Jones Cesar Dalazen. Eles afirmam que raramente avistam viaturas da Polícia Militar em rondas na área do Campo Belo.

 

Área disponibilizada

 

Por meio de nota, a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos informou que o aeródromo passou a disponibilizar a área na lateral da pista de pousos e decolagens do aeroporto para que os spotters façam suas imagens. Este local possui rondas motorizadas de equipes de segurança 24h por dia, além de três câmaras de segurança monitoradas.

 

Para proporcionar mais segurança aos spotters, Viracopos também passou a organizar um evento, sempre que possível, para que os spotters possam ter acesso à área restrita da pista. O comando da PM informou que não poderia responder à solicitação, já que o órgão não funcionou na data solicitada (31), dia de folga dada por causa do feriado do dia do servidor público.

 

Veja também