CORREIO.COM.BR
RUBEM ALVES

Educação do olhar

13/07/2014 - 05h00 - Atualizado em 17/17/2015 - 17h55 |

Já li muitos livros sobre psicologia da educação, sociologia da educação, filosofia da educação, didática — mas, por mais que me esforce, não consigo me lembrar de qualquer referência à educação do olhar, ou à importância do olhar na educação, em qualquer um deles.
Disse a Cecília Meireles: “O sentido está guardado no rosto com que te miro”. Não te miro com os meus olhos. Te miro com o meu rosto. É o rosto que desvenda o mistério do olhar. O rosto da mãe revela à criança o segredo do seu olhar. E o rosto da criança revela à mãe o segredo do seu olhar. O rosto do professor revela ao aluno o segredo do seu olhar.
“O meu lábio zombeteiro faz a lança dele refluir”: dito pela Adélia Prado. Lança? Metáfora para o falo ereto. Mas o lábio zombeteiro a torna um macarrão cozido... A lança, humilhada, se encolhe, torna-se incapaz do ato do amor. Há uma relação metafórica entre a lança fálica e a inteligência.
Como a lança fálica, a inteligência ou se alonga e se levanta confiante para o ato de conhecer ou se encolhe, flácida e impotente. O olhar de um professor tem o poder de fazer a inteligência de uma criança ficar ereta ou flácida... O lábio zombeteiro do professor faz a inteligência do aluno refluir.
Educação não é a transmissão de uma soma de conhecimentos. Conhecimentos podem ser mortos e inertes: uma carga que se carrega sem saber sua utilidade e sem que ela dê alegria. Educar é ensinar a pensar, isso é, a brincar com os conhecimentos, da mesma forma como se brinca com uma peteca.
Quando o conhecimento é vivo ele se torna parte do nosso corpo: a gente brinca com ele e sente feliz ao brincar. A educação acontece quando vemos o mundo como um brinquedo e brincamos com ele como uma criança brinca com a sua bola. O educador é um brincalhão...
Nossos currículos pressupõem que todo conhecimento é bom. Se isso fosse verdade teríamos de aprender tudo o que há para ser aprendido — o que é tarefa impossível. Quem acumula muito saber só prova um ponto: que é um idiota de memória boa. Não faz sentido aprender a arte de escalar montanhas nos desertos, e nem a arte de fazer iglus nos trópicos. Na vida a utilidade dos saberes se subordina às exigências práticas do viver. O mar é longo, a vida é curta.
Ensinar é um exercício de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O professor, assim não morre jamais...
Nas escolas as crianças são submetidas ao “jugo” dos saberes: programas. “Jugo” é canga. Fala-se, mesmo, em “grade” curricular — coisa de prisão. A educação segue o caminho inverso: começa não com os programas mas com a criança que vive seu momento presente. Saberes que permanecem não são impostos. Eles crescem da vida. Dizia Nietzsche: “Aquele que é um mestre, realmente um mestre, leva as coisas a sério — inclusive ele mesmo — somente em relação aos seus alunos”.