Homem se acorrenta por atraso na entrega de imóvel

iG Paulista - 11/02/2014 - 12h18 |
Douglas Fonseca e Moara Semeghini | douglas.fonseca@rac.com.br

Eduardo Bittencourt Araújo se acorrentou a um poste no bairro Guanabara, em Campinas, às 7h desta terça em protesto pela demora na entrega do apartamento comprado por ele em 2010
Foto: Dominique Torquato/AAN
Protesto é pela demora na entrega do apartamento comprado em 2010
O analista de sistemas Eduardo Bittencourt Araújo, de 30 anos, se acorrentou a um poste localizado na Rua Pedro Anderson, no bairro Guanabara, em Campinas, às 7h desta terça-feira (11). O motivo do protesto é a demora na entrega do apartamento comprado por ele em 2010, no residencial Veredas do conjunto habitacional Nossa Senhora de Fátima, localizado no bairro Jardim São Jorge, pela construtora HM construtora.

Araújo afirmou que passará o dia todo preso no local, que fica em frente a um prédio que tem escritórios da HM Engenharia.

Final feliz

A Prefeitura de Campinas afirmou, por meio da assessoria de imprensa, que a HM enviou nesta segunda (10) o material que comprova o término de uma obra marginal obrigatória que deveria ter sido feita pela construtora para que o empreendimento fosse liberado. Esta comprovação foi entregue para a Sociedade de Abastecimento de água de Campinas (Sanasa) que, por sua vez, enviou o documento para a Secretaria de Planejamento nesta terça-feira (11) pela manhã.

Ainda segundo a prefeitura, somente agora - depois da garantia de que a obra obrigatória das marginais no entorno da obra - ficasse pronta e fosse enviada pela HM, é que a Secretaria de Planejamento poderá liberar o habite-se (reconhecimento da Prefeitura de que foram cumpridas as formalidades legais para que um imóvel seja ocupado) dos apartamentos.

A assessoria explicou que, quando se constrói um prédio, muda-se a realidade urbana da região e que "é preciso ter responsabilidade" para a liberação de uma obra, para que ocorra a assimilação do impacto urbano.

Acorrentado

Funcionários da construtora foram até o analista e tentaram convencê-lo de entrar no escritório para tentar chegar a um acordo mas ele se recusou.

Também não concordou em ir até a Prefeitura de Campinas para conversar sobre a demora no habite-se.

Araújo conta que comprou um apartamento há quatro anos e que o imóvel deveria ser entregue em julho de 2012. Ele programou seu casamento baseado na data de entrega. Hoje está casado, tem uma filha de três meses e mora com a sogra.

O analista organizou um protesto no Facebook que deverá reunir parte dos cerca de mil moradores que aguardam a entrega da obra em frente aos escritórios da construtora às 16h.

Às 17h, os manifestantes prometeram bloquear a Avenida Barão de Itapura.

Em posse de documentos oficiais da Prefeitura de Campinas, Araújo informou que o empreendimento foi embargado durante a gestão do ex-prefeito Pedro Serafim, que assumiu o cargo de chefe do Executivo com a cassação do mandato de Demétrio Villagra.

"No dia 19 de janeiro de 2012 a obra foi embargada, no entanto, nenhum dos compradores dos imóveis dos empreendimentos ficou sabendo desta decisão. Eu só fui saber disso porque fui atrás de todas as documentações sobre o edifício e descobri" disse Araújo.

Por volta do meio dia, a esposa de Araújo levou para o marido uma garrafa d'água e outras vazias para a necessidade de urinar. "Estou preparado para ficar aqui o quanto for necessário, até dormir aqui se for preciso".
 
Homem acorrentado protesta pela demora na entrega do apartamento comprado em 2010
 
Homem acorrentado protesta pela demora na entrega do apartamento comprado em 2010