Publicado 06 de Maio de 2021 - 5h30

As novelas, com o passar dos anos e entre os seus itens essenciais, observaram avanços importantes na sua produção. Hoje, porque as próprias condições são outras, quase nada se compara ao que foi feito no passado. No entanto, se tem algo que resistiu ao tempo e se tornou uma regra inabalável em qualquer realização do gênero é o protagonismo feminino. E não sem uma razão importante de ser: as mulheres formam a maioria desse público. Elas são as que mais se identificam ou reagem com as representações das personagens. Não à toa, a líder Globo prefere fazer “novelas de mulheres” e entregar seu principal produto para esse público. Tudo muito relacionado a ibope e hábito. E algo que os exemplos mais recentes atestam facilmente: A Força do Querer, de Glória Perez, foi dominada por personagens femininas, vividas por Juliana Paes, Isis Valverde e Paolla Oliveira. Na atual das 9, Bianca Bin, Marieta, Grazi, Fernanda etc. e Segundo Sol, que ainda vem por aí, terá Giovanna Antonelli, Adriana Esteves e Deborah Secco. Precisa mais? Uma situação que sempre foi assim e, pelo jeito, não vai mudar tão cedo.