Publicado 08 de Maio de 2021 - 11h46

Por Thaís H. Bento/Correio Popular

Classificados, Guarani e Inter de Limeira cumprem tabela, neste domingo às 16h, em jogo da última rodada

Thomaz Marostegan/Guarani FC

Classificados, Guarani e Inter de Limeira cumprem tabela, neste domingo às 16h, em jogo da última rodada

A Ponte Preta agora apenas vai se despedir do Paulistão 2021. Mesmo com a vitória no dérbi por 3 a 1, a classificação não virá. Isso porque a Ferroviária venceu o Ituano por 1 a 0 na quinta-feira (6) e chegou a 18 pontos. A macaca tem apenas mais três tentos em disputa e chegaria aos 16 pontos caso vencesse, no entanto, a Ferrinha já atingiu 18 e também ainda terá mais uma partida para finalizar a primeira fase.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, o técnico Fábio Moreno explicou a causa da eliminação da macaca: "A gente não sofre com relação a isso, porque a Ponte Preta não deixou de classificar no jogo da Ferroviária, ela deixou de classificar quando não somou os pontos, principalmente dentro de casa. Uma série de situações adversas que enfrentamos na competição, principalmente tomando gols no início da partida, tendo dificuldade em recuperar o placar ao longo do jogo, então isso que deixou a desejar, isso que impossibilitou a nossa classificação e não o jogo e nem o chute do Cajá, que é o que está sendo comentado.

"A gente parabeniza a Ferroviária pela campanha e a gente espera que consigamos dar o retorno que a torcida espera na sequência, porque a gente deixou de ganhar, de merecer essa classificação devido aos nossos próprios problemas e não pela Ferroviária", completou.

Até este momento a Macaca disputou 11 jogos: foram seis derrotas (três no Majestoso), quatro vitórias e um empate, aproveitamento de 39,4%. Fábio Moreno fez uma análise do desempenho da equipe no campeonato.

"A gente enfrentou muitos obstáculos nessa competição, talvez foi o clube que mais sofreu com o problema da Covid, eu pessoalmente passei por isso, a comissão passou e tivemos quase a totalidade do nosso elenco contaminado e isso acaba que perde uma sequência de treinos. Boa parte dessa paralisação a gente teve muitos jogadores em isolamento sem poder treinar, isso eu tenho certeza que dificultou. Paralelo a isso a gente teve uma sequência de derrotas que dificultou a nossa ascensão, evolução. É muito difícil você estar precisando fazer ajustes e não ter tempo necessário. Isso com certeza inviabilizou uma evolução e a gente espera que isso ainda seja posto em prática", disse.

A próxima e última partida da Ponte Preta será no domingo contra o Palmeiras às 16h, no estádio Moisés Lucarelli, válida pela 12ª rodada da competição. Para esse jogo, há a possibilidade de alterações na equipe, já que os atletas vem de uma sequência pesada de jogos e a equipe não aspira mais nada na competição.

"Assim como essa partida, as outras, sempre são feitas da mesma forma, é um trabalho em conjunto, interdisciplinar né [...]A gente espera os jogadores chegarem, serem avaliados para que seja colocada em campo contra o Palmeiras uma equipe forte, mas principalmente preservando os jogadores de qualquer risco de lesão, óbvio, a gente faz isso sempre, procuramos deixar a equipe sempre fresca, na medida do possível minimizando os riscos para que na sequência a Ponte Preta mantenha a estrutura”, disse.

Para o Palmeiras o jogo tem muita importância, porque a equipe ainda não garantiu a classificação as quartas de finais e neste momento é o 3º colocado, apenas um ponto do vice-líder Novorizontino.

"A gente sabe da importância que é jogar no Moisés Lucarelli contra uma equipe grande, campeã da Libertadores. É uma equipe que tem muito interesse na partida, a gente respeita muito as outras equipes que tem interesse no nosso jogo, principalmente o Novorizontino, então é tratar sempre com o máximo de seriedade, óbvio visando principalmente os objetivos da Ponte Preta, porque esse Troféu do Interior se torna importante para nós financeiramente e também para buscar a classificação a Copa do Brasil", afirmou.

A Ponte Preta vai participar do Troféu do Interior, competição com as equipes interioranas que não se classificaram a próxima fase e que não foram rebaixadas. A FPF ainda não divulgou a fórmula de disputa para esse ano, mas em 2020 foram seis times se enfrentando e o campeão garantiu vaga à Copa do Brasil, além de R$ 360 mil.

Escrito por:

Thaís H. Bento/Correio Popular