Publicado 05 de Maio de 2021 - 11h31

Por Thaís H. Bento/Correio Popular

Moisés Lucarelli

Diogo Zacarias/ Correio Popular

Moisés Lucarelli

Chegou o dia do dérbi 199. A Ponte Preta recebe o Guarani hoje, às 21h, no estádio Moisés Lucarelli, partida válida pela 6ª rodada do Paulistão. A Macaca vem de três derrotas seguidas e precisa da vitória para ainda sonhar com a classificação para as quartas de final. Isso porque o time é o 3º colocado e tem apenas mais seis pontos em disputa (jogos contra o Bugre e o Palmeiras). A Ferroviária, que hoje tem 15 pontos (cinco a mais que a Ponte Preta) e é a vice-líder, também ainda pode garantir mais seis (jogos contra Ituano e São Caetano).

Para essa partida, o time terá dois desfalques certos: o lateral-esquerdo Yuri e o técnico Fábio Moreno. O jogador cometeu uma falta pesada no adversário na partida contra o Ituano e recebeu cartão vermelho. O comandante foi reclamar para o árbitro, ao final do jogo, sobre ter marcado pênalti mesmo após o término dos acréscimos. A arbitragem não gostou do tom da conversa e também deu cartão vermelho. Sandro Forner, auxiliar técnico, ficará em campo amanhã para comandar a equipe.

Apesar das baixas, a Macaca terá dois "novos" jogadores à disposição. Moisés já está com toda as questões burocráticas acertadas, registrado como atleta da Ponte (com contrato até 2024) e pode voltar. Niltinho foi internado na madrugada de segunda-feira após dores abdominais e vômito, mas após exames realizados, não foi constatado nenhum problema grave, possivelmente uma forte intoxicação alimentar. O atleta saiu do hospital ontem e já pode ser escalado, caso seja opção do treinador.

E o departamento médico da Macaca também pode liberar jogadores para estarem disponíveis como titulares ou para compor o banco de reservas. Jean Carlos, Papa Faya e Renan Mota já treinaram nesta semana após período de recuperação física.

Renatinho, que reestreou na Macaca na última partida, falou em entrevista coletiva sobre a atmosfera do dérbi. Ele que já disputou dois com a camisa da Ponte Preta em sua primeira passagem (2011): "Foram dois jogos maravilhosos. É diferente de todos os outros e sempre vai ser. Voltando agora e já enfrentando outro dérbi depois de tanto tempo. A experiência, a lembrança é muito boa. Quero dar o meu melhor, mantendo essa sequência e, mais ainda, o time saindo vencedor que é o que mais importa".

Para o atacante, é possível que a Ponte Preta vença com o futebol apresentado na derrota por 2 a 1 contra o Ituano, no último domingo: "O time correu até o final, deu o melhor. Infelizmente, futebol é assim, às vezes, toma um gol no final, é normal, um lance que, para mim, já tinha acabado o jogo e aconteceu o gol, mas o time correu demais, todo mundo deu o seu melhor. Dentro de casa, a expectativa é sempre vencer”.

Escrito por:

Thaís H. Bento/Correio Popular