Publicado 05 de Maio de 2021 - 12h29

Por Ângelo Barioni/Correio Popular

Guarani e Ponte Preta realizam nesta quarta-feira o dérbi de número 199. Mais uma vez os portões do Moisés Lucarelli estarão fechados em decorrência da pandemia da Covid-19. Embora o público não esteja presente, o jogo faz parte da história do futebol por reunir rivalidade, tradição, paixão e amor aos clubes. Em campo cem anos de história contada através de grandes espetáculos. O clássico é conhecido também pelo seu equilíbrio, o que torna a rivalidade mais intensa e os resultados mais imprevisíveis. Viva o dérbi.

No final da década de 1970, Guarani e Ponte Preta contavam com times magnificos, nomes como Careca, Zenon, Renato, Carlos, Oscar, Polozzi e Dicá. Nessa época, ambos os times eram respeitados, pois brigavam por títulos. A Ponte bateu na trave do Campeonato Paulista várias vezes. Já o Bugre, em 1978, conquistou o maior triunfo de sua história, o Campeonato Brasileiro, que até hoje é motivo de festa para a torcida, além uma 4° colocação na Libertadores.

Dérbi 2

Na época, Guarani e Ponte Preta apresentavam um futebol de alta permormance justificando o título dado a cidade de Capital do Futebol. Esses fatos impactavam os dérbis disputados, totalmente diferentes dos de hoje, pois os holofotes estavam voltados param o clássico campineiro, acompanhado por torcedores de todo o Brasil. Hoje, o jogo não tem a mesma importância. Mas para os clubes e suas torcidas vale muito. Enfim, rivalidade e tradição.

"Torço por Campinas. Portanto, torço para Guarani e para Ponte Preta"

Zé Duarte ex-treinador de Guarani e Ponte Preta

Bola fora

Bidu e Rodrigo Andrade protagonizaram verdadeiro papelão após vitória do Guarani em cima do Novorizontino. Depois da troca de socos em frente ao árbitro, jogadores tiveram imagem veiculada pelos principais programas esportivos do país no início desta semana.

Bola fora 2

Apesar do clima tenso, Bidu e Rodrigo Andrade já nutrem relação profissional amistosa e pacífica depois da briga. Os atletas foram cobrados, dentro do vestiário, a respeito do episódio, que resulta em desfalque no clássico.

Bola dentro

A dupla foi punida pela diretoria em multa nos direitos de imagem. O valor será revertido em compra de cestas básicas para comunidade carente.

Solidariedade

A Ponte Preta está realizando uma arrecadação de alimentos não perecíveis em prol das mais de 180 crianças que são atendidas pelo Projeto Vulcão. As doações podem ser feitas no estádio Moisés Lucarelli ou na sede do projeto, no Jardim Danúbio Azul.

Atacantes

Moisés e Niltinho estão novamente à disposição. O primeiro esteve fora da última partida devido a questões contratuais que já foram regularizadas. O segundo teve uma intoxicação alimentar forte, foi internado, mas já se recuperou.

Difícil

A vitória da Ferroviária por 3 a 1 diante do Mirassol na segunda-feira (3) dificultou a chance de classificação da Macaca. O time de Araraquara tem 15 pontos (cinco a mais) e ainda pode ganhar mais seis. Já a Ponte Preta tem 10 pontos e também pode ganhar mais seis, chegando ao máximo em 16. Por isso, a alvinegra precisa fazer seu papel e ainda torcer contra a adversária.

Arbitragem

Para o Dérbi 199 de hoje à noite, a FPF escalou como árbitro Vinicius Gonçalves Dias Araújo. Na temporada 2021 ele já apitou oito jogos: seis do Paulistão e dois da Copa do Brasil.

Sequência

Após o dérbi, Ponte Preta receberá o Palmeiras no domingo e o Guarani visitará a Inter de Limeira no mesmo dia. Os horários dos jogos ainda não foram definidos pela FPF.

Importância

O Dérbi 199 será ainda mais importante para as equipes de Campinas. Além da rivalidade histórica, o resultado pode confirmar ou anular as chances de classificação.

Clássico

Guarani e Ponte Preta realizam nesta quarta-feira o dérbi de número 199. Mais uma vez os portões do Moisés Lucarelli estarão fechados em decorrência da pandemia da Covid-19. Embora o público não esteja presente, o jogo faz parte da história do futebol por reunir rivalidade, tradição, paixão e amor aos clubes. Em campo cem anos de história contada através de grandes espetáculos. O clássico é conhecido também pelo seu equilíbrio, o que torna a rivalidade mais intensa e os resultados mais imprevisíveis. Viva o dérbi.

Escrito por:

Ângelo Barioni/Correio Popular