Publicado 14 de Maio de 2021 - 11h43

Por Luiz Roberto Saviani Rey/Correio Popular

Não há segredos ou mistérios na intenção do prefeito Dário Saadi ao reivindicar do governo João Doria a permissão de uso do histórico, tradicional e imponente prédio envidraçado da recepção e administração do Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Dário pede um uso compartilhado do imóvel da Barão de Itapura para povoá-lo com escritórios de áreas da Administração Municipal voltadas às ações e políticas do verde, as secretarias e órgãos do segmento rural e agrícola.

IAC sem mistérios 2

A ocupação da sede do IAC traria a acomodação de pastas da Prefeitura, como as secretarias do Verde, a do Meio Ambiente e Desevolvimento Econômico e Sustentável, a qual abriga uma seção do Instituto Nacional de Reforma Agrária (Incra). “Queremos preservar a memória e a hstória do Agronômico, e somar esforços para termos uso compartilhado do prédio. Tenho muito respeito pelos pesquisadores, e pela história do IAC”, diz Dário.

"Respeito muito o Agronômico e seus pesquisadores. Queremos apenas preservar sua história” (Dário Saadi, prefeito de Campinas)

 

DIA DE FÚRIA

A CPI da Covid colheu ontem o depoimento do diretor-geral da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, considerado um dos mais polêmicos e comprometedores até o momento. Ficou evidente o descaso do governo com o largo hiato entre maio do ano passado e o presente para definir a compra das vacinas.

 

DIA DE FÚRIA 2

Um dia após ser xingado de “vagabundo” na sala do Senado em que correm as sessões da CPI pelo filho "01" do presidente, o senador Flávio Bolsonaro, Renan Calheiros teve de aguentar a presença de Jair Bolsonaro em seu estado, Alagoas, fazendo discursos a ele direcionados, chamando-o, também, de “vagabundo”.

 

DIA DE FÚRIA 3

Carlos Bolsonaro, o "02", por sua vez, teve ontem ataques de fúria, depois de ter sido citado por Carlos Murillo perante a CPI. Ele teria se reunido com representantes da Pfizer em dezembro, sem que houvesse resultados da parte do governo na aquisição de vacinas.

LEI DO SILÊNCIO

O depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello na CPI da Covid poderá constituir a sessão mais água-com-açúcar da temporada. Ou poderá nem ocorrer.

LEI DO SILÊNCIO 2

A AGU pediu para que Pazuello possa permanecer em silêncio, sempre que julgar impertinentes as perguntas de senadores.

****

Logo em seguida, um advogado de Brasília deu entrada no Supremo Tribunal Federal com pedido de habeas corpus para que Pazuello nem compareça no Senado. Seu depoimento, marcado para o dia 19 é mais esperado do que, em Campinas, o dérbi campineiro.

CIESP

Rafael Cervone, candidato da Chapa 2 às eleições do Ciesp, afirma não ser verdadeira a informação de que não ocorrem eleições na entidade há 17 anos, conforme sustentado ontem, nesta coluna, pelo candidato da chapa 1, José Ricardo Roriz Coelho. Segundo Cervone, a última ocorreu em agosto de 2017.

USO DO SOLO

A Comissão Especial de Estudos do Solo Público recebe, às 10 horas de hoje, o secretário municipal de Transporte, Vinícius Issa Lima Riverete. Sob o comando do vereador Arnaldo Salvetti (MDB), a comissão vai analisar e discutir a normatização e atualização das leis e procedimentos relativos à permissão e concessão do uso do solo.

USO DO SOLO 2

Salvetti quer aferir com o secretário os parâmetros e critérios técnicos para que um estabelecimento possa solicitar a demarcação do solo para estacionamentos.

Escrito por:

Luiz Roberto Saviani Rey/Correio Popular