Publicado 11 de Maio de 2021 - 15h14

Por Rodrigo Piomonte

Paciente com suspeita de covid é transferido para o setor de emergência do Hospital Mário Gatti: indicadores de contágio ainda estão elevados

Kamá Ribeiro/Correio Popular

Paciente com suspeita de covid é transferido para o setor de emergência do Hospital Mário Gatti: indicadores de contágio ainda estão elevados

Com indicadores de transmissão da covid-19 em uma curva decrescente, mas ainda em patamares considerados elevados, Campinas surpreende ao determinar a reversão de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados exclusivamente para tratamento da síndrome nos hospitais públicos. De acordo com a medida anunciada ontem, esses leitos serão reservados a pacientes com outras enfermidades ou vítimas de acidentes. A justificativa é a pressão por leito não covid-19 decorrentes da retomada das atividades não essenciais determinadas pelo período de transição do Plano São Paulo.

Dez leitos de UTI usados para receber pessoas acometidas pela doença no Hospital Ouro Verde já foram revertidos para o atendimento a pacientes não covid-19. E segundo informações da Prefeitura, ontem, outros 16 leitos de UTI covid estão nos planos de serem também revertidos para UTI geral no Hospital Mário Gatti. A previsão é que isso aconteça até na próxima semana, totalizando 26 leitos UTI covid-19 revertidos.

Atualmente, conforme o último balanço sobre a pandemia na cidade divulgado pela Prefeitura, Campinas conta com 163 leitos de UTI para covid-19, sendo que 162 estão ocupados. O índice de ocupação ainda era extremamente alto, com apenas um leito livre de UTI covid-19. A taxa de ocupação no SUS Municipal tem se mantido acima dos 90% há seis meses.

Ao todo, segundo a Secretaria de Saúde, até ontem foram registrados 462 novos casos de covid-19 e mais 17 mortes. O último dado divulgado foi na sexta-feira, 7 de maio. Com os novos dados, Campinas totaliza 95.759 casos e 3.122 óbitos causados pelo novo coronavírus.

O anúncio de início de desativação dos leitos UTI covid para revertê-los em UTI geral ocorreu após a lotação denunciada por funcionários na Sala Vermelha não covid-19 do Hospital Mário Gatti no último final de semana.

No domingo, o número de pacientes aguardando transferência na sala vermelha ultrapassou o dobro da capacidade, de acordo com os funcionários. Um vídeo com as macas todas uma ao lado da outra e o local praticamente sem espaço para os profissionais de saúde trabalharem foi inclusive divulgado e compartilhado em redes sociais.

A alta demanda foi relacionada à fase de transição e ao relaxamento das restrições na cidade que provoca um aumento dos casos de traumas agudos e graves. A sala vermelha é o local onde pacientes não contaminados pela covid-19 são recebidos, entre eles vítimas de acidentes, infartos, entre outros.

Pressão por leitos

Segundo a diretora do Devisa, Andrea Von Zuben, na última reunião do comitê de combate à pandemia na cidade, foi comentado sobre a pressão por leitos não covid que o sistema público estaria vivenciando, mas o momento ainda foi apontado como de prudência para a desativação e leitos UTI.

"Não estamos achando prudente fazer essa mudança. Na nossa última reunião esse não era o plano. A gente está sim com uma demanda reprimida de casos não covid. Isso é fato. Mas a gente ainda está com bastante prudência. Se não me engano, tem toda uma dinâmica de leitos, de aumentar covid em alguns lugares e diminuir em outros, mas manter um número equilibrado", disse.

Conforme a diretora, um trabalho de monitoramento de todos os indicadores epidemiológicos tem sido realizado pelo Devisa e apresentado ao comitê para embasar a tomada de todas as decisões na cidade de combate à pandemia.

A diretora pontua, no entanto, que a cidade já possui experiência na reversão e adequação de novos leitos, insumos e locais, o que é uma grande vantagem. "Então, isso dá um pouco mais de tranqüilidade, mas é prudente mantermos mais ou menos o mesmo número de leitos UTI. Enfermaria, nós temos sobrando", disse.

Ainda conforme a Prefeitura, assim como nos leitos de UTI covid-19, a reversão de leitos de enfermaria também é prevista levando em conta o monitoramento de casos e atendimentos covid-19 na cidade, e que segundo o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), estão em uma curva descendente na cidade, porém ainda altos.

Escrito por:

Rodrigo Piomonte