Publicado 01 de Maio de 2021 - 21h59

Por Rodrigo Piomonte/ Correio Popular

Reflexo da vidraça mostra recepção e família de paciente deixando a unidade do Hospital Ouro Verde

Ricardo Lima/ Correio Popular

Reflexo da vidraça mostra recepção e família de paciente deixando a unidade do Hospital Ouro Verde

Após Campinas ultrapassar a triste marca de três mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia, o prefeito Dário Saadi (Republicanos) divulgou na tarde desta sexta (30) que, apesar do número alto de óbitos, a cidade fecha o mês de abril com saldo positivo na luta contra a pandemia. O prefeito atribuiu o resultado ao fato de Campinas ter se antecipado às medidas restritivas colocadas em prática pelo governo estadual. O prefeito citou o toque de recolher e o fechamento do comércio, como exemplos.

Em relação ao final do mês de março, o mais macabro da pandemia, abril fecha com 34% de redução no número de mortes, porém o segundo com mais mortes desde o início da pandemia, superando o mês de julho de 2020 pico da primeira onda.

Segundo as informações divulgadas durante entrevista coletiva transmitida pelas redes sociais, em março o coronavírus tirou a vida de 612 pessoas, ante 403 neste mês. Campinas encerrou o mês de abril com 92.691 pessoas infectadas pela doença desde o início da pandemia, sendo 420 a mais que o divulgado na quinta-feira, e 3.013 mortes, oito a mais nas últimas 24 horas.

Ainda conforme o prefeito, enquanto a cidade registrou uma queda, o Estado de São Paulo teve um aumento 20,11% no número de óbitos entre o mês de março na comparação com abril, quando 15.159 perderam a vida no mês passado e 18.250 neste mês, conforme análise da Prefeitura. "Não temos o que comemorar, mas é um indicativo de que as medidas adotadas na cidade foram duras, mas surtiram efeitos como a redução do número de mortes. Isso mostra que as decisões foram acertadas e a população colaborou", disse o prefeito.

Durante a coletiva a diretora do Departamento de Vigilância Sanitária (Devisa), Andrea Von Zuben, apresentou outros indicadores comparativos sobre como está Campinas no combate à pandemia. Com relação ao Estado de São Paulo, os indicadores apresentados mostram que a cidade está em segundo lugar em número de novos casos e terceiro em número de óbitos por covid-19.

Quando verificado o indicador incidência da doença, Campinas ocupa a 363º colocação entre as cidades paulistas. Em letalidade fica em 120º e em mortalidade, ocupa a 94º posição. Os dados consideram incidência, letalidade e mortalidade a cada 100 mil habitantes. Em relação à letalidade da doença na cidade, Campinas apresenta um índice menor. Enquanto o Estado está com 3,8%, Campinas aparece com 3,2%.

A diretora do Devisa chamou a atenção para o fato de 20,4% no número de óbitos registrado atualmente na cidade ser de pessoas da faixa etária da população de 50 a 59 anos. Segundo ela, as faixas etárias de 40 a 49 representam atualmente 8% das mortes.

De acordo a Prefeitura, a cobertura vacinal na cidade atingiu todas as faixas etárias acima de 70 anos, exceto na população entre 80 e 84, que recebeu a primeira dose da vacina Astrazeneca.

Segundo a diretora do Devisa, em Campinas já foram aplicadas 313.613 doses da vacina. Desse total, 193.573 pessoas receberam a primeira dose e 120.040, a segunda. "A partir de 6 de maio começam a ser vacinados as faixas etárias a partir de 61 anos com a promessa do Estado de envio de doses.

Escrito por:

Rodrigo Piomonte/ Correio Popular