Publicado 05 de Maio de 2021 - 14h05

Por Estadão Conteúdo

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich lembrou do clima "tenso de politização" que existia, segundo ele, quando assumiu a titularidade da pasta em abril do ano passado, nos primeiros meses da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

"Quando eu entrei, existia um clima de politização e disputa muito grande, era um clima muito tenso. Então eu via que as coisas que eu falava, elas eram mais usadas do que ouvidas. Então existiu ali um primeiro momento em que a ideia era só tentar diminuir um pouco a tensão. Esse momento é o momento em que eu tomo mais um pouco do conhecimento do dia a dia do ministério", disse Teich durante depoimento à CPI da Covid.

"Inclusive eu achava que aquelas coletivas (da Saúde) deveriam ser um pouco mais técnicas no sentido não só de passar número, mas tentar passar alguma comunicação para sociedade", disse.

Teich comentou também que não teve acesso à carta que foi entregue pelo seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta, ao presidente Bolsonaro. Nela, Mandetta alertou o presidente sobre o número de mortes pela covid-19 que o Brasil alcançaria caso o Planalto não seguisse as recomendações do Ministério da Saúde - o que ocorreu.

O ex-ministro voltou a dizer que, quando tomou o posto, assumiu com o entendimento de que sua gestão seria técnica à frente do ministério. "(Eduardo) Pazuello entrou, mas outras secretarias tinham sido mantidas no âmbito técnico. A única coisa que tinha discussão era cloroquina", disse Teich, que foi questionado ainda sobre a notória reunião ministerial do dia 22 de abril de 2020, tornada pública após decisão do Supremo Tribunal Federal.

"E ali eu coloquei o que achava importante em relação à pandemia, tanto em relação à covid quanto em relação a não covid, mas aquilo foi uma coisa que ficou, foi falada e depois a reunião seguiu, então a gente não teve uma discussão", afirmou.

Economia x Saúde

Ao falar sobre o dilema levantado pelo presidente, sobre a preservação do ambiente econômico e o combate à covid, Teich disse que o problema prático foi que a economia foi tratada como "dinheiro e empresas, e a saúde, como vidas, sofrimento e morte. Mas na verdade, tudo é gente". "Quando você fala da economia, você não está falando de empresa, de emprego, de dinheiro, você está falando de gente", afirmou Teich.

Pazuello

Nelson Teich, que teve como número 2 durante sua gestão o general Eduardo Pazuello, afirmou à CPI da Covid que, apesar do nome do general ter sido indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, a entrada de Pazuello no ministério não foi uma imposição. "Se ele tivesse sido imposto, eu saía em uma semana, e não em um mês", disse Teich, que ficou menos de 30 dias no cargo, entre abril e maio do ano passado.

A participação mais expressiva de militares na gestão da pandemia começou a se consolidar durante os poucos dias que Teich passou à frente do ministério - uma forma de o governo tutelar os passos do oncologista.

Ainda respondendo sobre eventuais interferências externas no Ministério da Saúde durante sua gestão, Teich disse não se lembrar da presença dos filhos do presidente Bolsonaro em reuniões com ministros. "Eu tive algumas reuniões com o presidente, mas lembrar da presença de um deles na reunião eu não lembro, é difícil. Tem um ano também, é difícil lembrar. Eu nunca me dirigi a eles, eu nunca conversei com eles, nunca discuti nada com eles. Se eles podiam estar em algum momento fisicamente ali, eles não tiveram nenhuma interferência em qualquer reunião que eu tivesse feito com o presidente. Se eles estavam na reunião, não foram pessoas que tiveram alguma participação ativa, se não eu lembraria", respondeu Teich.

Escrito por:

Estadão Conteúdo