Publicado 01 de Maio de 2021 - 4h43

Por AFP

O primeiro-ministro albanês, Edi Rama, reivindicou nesta terça-feira (27) "a mais bela das vitórias" dos socialistas nas eleições legislativas, o que lhe permitirá um terceiro mandato consecutivo, a primeira vez neste pequeno país balcânico.

"Quebramos o recorde. Obrigado por confiarem em mim para um terceiro mandato", disse ele a milhares de apoiadores reunidos no centro de Tirana, dois dias após as eleições.

Segundo os resultados oficiais, após a apuração de 95% dos votos, o Partido Socialista (PS) de Rama teria obtido 48,6%, cerca de dez pontos percentuais a mais que a oposição de centro-direita.

As projeções da Comissão Central Eleitoral (CEC) atribuem ao PS 74 lugares em 140, maioria absoluta, o que lhe permite continuar a governar sozinho.

O processo eleitoral foi acompanhado de perto pela comunidade internacional, que o considera a prova de fogo da frágil democracia albanesa, candidata à adesão à União Europeia há sete anos.

Mas depois de uma campanha eleitoral ser atormentada por insultos, acusações de corrupção e violência, a votação e a contagem dos votos decorreram sem maiores problemas.

"Serei o primeiro-ministro de todos os albaneses", disse o político de 56 anos, convidando a oposição "a trabalhar" com seu partido pelo bem do país.

Os democratas de Lulzim Basha, que alegaram vitória quando os resultados ainda não eram conhecidos, não reconheceram a derrota nesta terça-feira.

Segundo a CEC, estes, aliados a uma dezena de partidos, obtiveram cerca de 39% dos votos (59 cadeiras).

O Movimento Socialista pela Integração (MSI) fundado pelo presidente Ilir Meta, adversário de Rama, recebeu menos de 7% dos votos (quatro cadeiras).

A União Europeia elogiou a "boa organização" da votação e exortou os partidos a "seguirem o princípio democrático que consiste em respeitar o resultado das eleições".

O primeiro-ministro, a quem seus detratores acusam de autoritarismo e arrogância, fez campanha por mais tempo para terminar os projetos de infraestrutura prejudicados pela pandemia e continuar reconstruindo milhares de casas destruídas por um terremoto no final de 2019.

Também lançou uma campanha massiva de vacinação contra covid-19, que deve permitir a imunização de 500.000 dos 3 milhões de albaneses até o final de maio e a reativação da indústria do turismo, duramente atingida pela crise de saúde.

Seus adversários o acusam de ligações com o crime organizado, manipulação de eleições anteriores, deterioração da economia, o que ele nega.

Escrito por:

AFP