Publicado 01 de Maio de 2021 - 1h00

Por AFP

Como quase todos os dias, crianças jogam críquete num terreno com grama queimada e escombros espalhados. Isso é o que resta do último covil do homem que foi por muito tempo o mais procurado do planeta.

Foi ali, na cidade paquistanesa de Abbottabad (norte), nas encostas do Himalaia, que Osama bin Laden foi morto durante uma operação dos Navy Seals, unidade de elite das forças especiais americanas, em 1º de maio de 2011.

Seu impacto foi global e afetou a imagem internacional do Paquistão, expondo as contradições de um país que por muito tempo serviu de retaguarda para a Al-Qaeda e seus aliados do Talibã. E isso apesar de ser vítima do terrorismo.

A "Operação Lança de Netuno" encerrou uma busca de dez anos pelo autor dos ataques de 11 de setembro, que fugiu dos americanos em 2001 nas cavernas de Tora Bora, no leste do Afeganistão.

Foi muito constrangedor para o Paquistão e seu exército todo-poderoso. Bin Laden viveu recluso por pelo menos cinco anos em Abbottabad, escondido atrás dos muros de um imponente edifício branco, a menos de dois quilômetros de uma prestigiosa academia militar.

"Foi muito ruim para este lugar e para todo o país. Abbottabad era o lugar mais pacífico que existia. Morando ali, Osama deu à cidade uma má reputação", lamenta Altaf Husain, um professor aposentado de 70 anos perto da antiga residência de Bin Laden.

O exército e os serviços de inteligência do Paquistão sofreram um duro golpe. Poderiam ter admitido que estavam cientes da presença do fundador da Al-Qaeda, mas isso teria deixado clara sua incapacidade de impedir a operação americana. Preferiram negar, mesmo significando reconhecer lacunas nas atividades de inteligência.

O evento foi vivido como uma humilhação nacional. A operação reforçou a animosidade anti-americana entre uma população, cansada do preço financeiro e humano da guerra ao terror e sua aliança com os Estados Unidos após os ataques de 2001.

O Paquistão foi inicialmente sensível ao mito fundador da Al-Qaeda, baseado na resistência do povo muçulmano ao imperialismo norte-americano. Mas quando Bin Laden morreu, não era mais tão popular como há uma década.

"Antes, lembro que as pessoas chamavam seus filhos de Osama, até mesmo na minha aldeia", conta o jornalista paquistanês Rahimullah Yusufzai, especialista em redes jihadistas. Mas, segundo ele, a partir de 2002 ou 2003 esse apoio "começou a diminuir por causa da violência".

Isso não impediu que o extremismo continuasse se espalhando depois de 2011 no Paquistão, onde movimentos religiosos conservadores ganharam influência.

Nos três anos seguintes, grupos terroristas, notadamente o Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP, o Talibã paquistanês), realizaram ataques sangrentos e estabeleceram fortalezas em áreas tribais do noroeste.

Foram desalojados em uma campanha militar lançada em 2014 nesta região na fronteira com o Afeganistão. Isso tornou possível reduzir a violência, mas uma série de ataques recentes levanta preocupações sobre o ressurgimento desses grupos.

Escrito por:

AFP