Publicado 20 de Abril de 2021 - 5h30

[CR_TXT_1LINH]Luciana Felix

Muitos ainda preferem os serviços de despachante

Apesar de o Poupatempo ter facilitado a vida do contribuinte, há quem não abra mão da assessoria de um despachante, perfil de público que gera 200 transferências por mês feitas no Despachante Brasília II, onde a transferência custa R$ 300,00 mais as taxas recolhidas. Segundo a proprietária Denise Sellin, apesar de existirem as opções do Detran-SP e Poupatempo, muitos clientes confiam no serviço do despachante e não querem perder tempo com filas de banco, cadastramento e outros passos para o atendimento prestados nos órgãos estaduais. “Cuidamos de tudo e até vamos à loja pegar a nota fiscal”, conta a despachante. Outro ponto, segundo Denise, é que nem sempre o consumidor entende o procedimento para cuidar sozinho de uma transferência e acaba recorrendo a um despachante, principalmente a clientela mais antiga.

O analista de sistemas Daniel Machado, de 32 anos, não gasta com despachante há mais de 5 anos. Nesse período trocou quatro motos e um veículo e fez a transferência sozinho e gastando pouco. “Muita gente não tem ideia que isso é possível, além de ser simples. Quem tem dúvidas pode pegar o procedimento no site do Poupatempo, lá está tudo explicado, passo a passo até como fazer o decalque do chassi do carro”, afirma. Ele ainda diz que depois de marcar hora no serviço do governo, faz tudo em um único dia. “É muito mais rápido e mais barato. Às vezes já resolvi tudo em uma hora, e no despachante leva mais de duas semanas.”

O professor Márcio Romano trocou o carro há cerca de três meses e gastou R$ 350,00 com o serviço de despachante. “Se eu soubesse teria economizado e gastado esse dinheiro em outras coisas. É simples, mas falta informação e mais divulgação desse tipo de ação, que a própria população pode fazer”, disse. (SV/ AAN)