Publicado 30 de Abril de 2021 - 14h00

Por AFP

A entrega do Oscar é celebrada neste domingo (25) em Los Angeles, em uma cerimônia única, distanciada na era da pandemia na qual Chloé Zhao recebeu a primeira estatueta pela direção do favorito "Nomadland".

"Isto é para qualquer um que tenha fé e a coragem de se agarrar à bondade em seu interior. E se agarrar à bondade dos demais", disse Zhao ao receber o prêmio, após chegar ao tapete vermelho junto com "nômades" da vida real, que interpretam versões ficcionais de si mesmos no filme.

O drama sobre as pessoas de poucos recursos que percorre o território americano em caminhonetes é o favorito da noite, celebrado presencialmente e ao vivo na estação ferroviária do histórico centro de Los Angeles.

Pouco antes, o diretor dinamarquês Thomas Vinterberg recebeu o prêmio da Academia de melhor filme internacional por "Druk - Mais uma Rodada", com uma homenagem emocionada à filha Ida, falecida em um acidente de carro pouco após o início das filmagens, em 2019.

"Acabamos fazendo este filme para ela, como um monumento para ela", disse, com lágrimas nos olhos o diretor desta comédia dramática sobre os altos e baixos do alcoolismo.

Daniel Kaluuya, que levou o Oscar de melhor ator coadjuvante por "Judas e o Messias Negro", recebeu a estatueta mais animado e dizendo que se sentia "feliz por estar vivo".

A atriz e diretora Regina King marcou o início da noite, dizendo que os convidados, a maioria dos quais não usava máscaras, "haviam sido vacinados, testados, testados de novo, estão socialmente distanciados e seguem protocolos rigorosos".

"Estamos de luto pela perda de muitos", afirmou.

Antes do início do show, os artistas pararam brevemente para se deixar fotografar e dar rápidas entrevistas com distanciamento, no que os organizadores chamaram de "tapete vermelho diminuto".

As atrizes Carey Mulligan e Andra Day deslumbraram com o glamour habitual do Oscar.

A multidão comum de fotógrafos foi muito reduzida devido à pandemia e até os executivos dos estúdios devem assistir à cerimônia pela TV.

"Estamos aqui, não é uma loucura? Seres humanos de carne e osso", disse Riz Ahmed, indicado a melhor ator por "O som do silêncio".

Glenn Close, que disputa o Oscar de melhor atriz coadjuvante, afirmou, ao chegar ao evento: "Não estive em uma cidade grande em mais de um ano".

Com cinemas fechados o ano todo e grandes produções atrasadas, "Nomadland" - assim como os rivais "Minari" e "O Som do Silêncio" - capturaram o "zeitgeist" da pandemia em um retrato impressionante dos marginalizados da sociedade.

Escrito por:

AFP