Publicado 23 de Abril de 2021 - 12h10

Por AFP

Os líderes mundiais que participaram da cúpula virtual convocada no Dia da Terra têm uma posição unânime: o combate às mudanças climáticas será benéfico para o crescimento econômico de todo o planeta.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o presidente chinês Xi Jinping e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, estavam entre os executivos que apoiaram os apelos por impostos mais altos sobre carbono e investimentos maciços.

Segue um resumo dos mais recentes esforços globais para combater a mudança climática:

A mudança climática representa uma grande ameaça ao crescimento global, com perigos que vão desde o declínio da produção agrícola, climas extremos que devastam as economias baseadas no turismo, desenvolvimento de doenças e outras catástrofes que podem minar a produtividade.

Seus efeitos podem reduzir o PIB global em até 18% em 2050 em comparação com as estimativas sem mudança climática, de acordo com um relatório publicado na quinta-feira pela Swiss Re, uma das maiores resseguradoras do mundo.

A China pode perder até 24% do PIB no pior cenário, aquele de maior impacto, enquanto a Europa pode perder 11% e os Estados Unidos, cerca de 10%, segundo o estudo.

O Banco Mundial estima que entre 32 e 132 milhões a mais de pessoas podem cair na pobreza extrema até 2030 devido aos efeitos das mudanças climáticas.

O Banco Mundial identificou cinco áreas prioritárias para investimento: sistemas de alerta precoce, infraestrutura resistente ao clima, agricultura de sequeiro, proteção de manguezais e resiliência hídrica.

A instituição com sede em Washington estimou que investir globalmente 1,8 trilhão nessas áreas nos próximos nove anos pode gerar 7,1 trilhões de retorno.

A Agência Internacional de Energia pediu em janeiro "uma ação decisiva" até 2030.

O órgão também pediu o aumento da proporção crescente de carros elétricos para mais de 50% dos atuais 3%, aumentando a produção de hidrogênio de baixo carbono para 40 milhões de toneladas métricas dos atuais 450.000, e aumentando o investimento em eletricidade limpa de 380 bilhões para 1,6 trilhões.

Líderes mundiais e instituições multilaterais dizem que esses investimentos criarão milhões de empregos, sem fornecer números precisos.

Um imposto sobre o carbono voltado para as maiores fontes de emissões teria como objetivo mudar o comportamento do consumidor, encorajando-o a usar menos energia, comprar veículos elétricos e produtos domésticos mais eficientes.

O FMI afirma que esse imposto é a única maneira de manter o aumento da temperatura do planeta em 1,5 graus Celsius (2,7 Fahrenheit) acima dos tempos pré-industriais.

"Mais de 60 esquemas de preços foram implementados, mas o preço médio global agora é de US $ 2 por tonelada e precisamos aumentar para US $ 75 por tonelada em 2030 para reduzir as emissões em linha com as metas do Acordo de Paris", disse o diretor do FMI na cúpula virtual na quinta-feira.

Escrito por:

AFP