Publicado 19 de Abril de 2021 - 20h00

Por AFP

O Canadá anunciou nesta segunda-feira (19) uma nova meta de redução de emissões de carbono de 36% até 2030 com relação aos níveis de 2005, ao mesmo tempo em que intensificou os seus esforços para neutralizar as emissões em meados do século.

O pacote orçamentário prevê gastos de 80.900 dólares ao longo de três anos para ajudar a economia do Canadá a se recuperar da pandemia, já que o déficit fiscal chega a 16,1% do PIB.

"Este orçamento visa acabar com a luta contra a covid", disse a ministra das Finanças, Chrystia Freeland, em discurso ao Parlamento.

"Trata-se de curar as feridas econômicas deixadas pela recessão da covid e de criar mais empregos e prosperidade para os canadenses nos dias e décadas que virão".

Para fazer isso, deve "garantir que os empregos perdidos sejam recuperados o mais rápido possível e que as empresas mais afetadas se recuperem rapidamente", indicou.

Um dos itens mais importantes do orçamento é a reserva de quase 14 bilhões de dólares para ajudar as empresas a reduzirem suas emissões de CO2, implantar tecnologias de captura e armazenamento de carbono, bem como migrar para o combustível de hidrogênio.

Também estabelece um plano acelerado de redução das emissões de gases de efeito estufa até 2030 com uma nova meta de redução de 36% em relação aos níveis de 2005, superando o corte de 30% estabelecido pelo Acordo de Paris.

Paralelamente, Freeland informou que o déficit fiscal do Canadá explodiu para 354,2 bilhões de dólares canadenses para o ano fiscal de 2020-2021 encerrado em março, um recorde equivalente a 16,1% do PIB.

O orçamento também prevê um crescimento da economia canadense de 5,8% neste ano, enquanto o déficit do atual exercício fiscal deve ser reduzido em 6,4% do PIB, com equilíbrio previsto para 2026.

Espera-se que o pacote orçamentário seja aprovado no parlamento depois que um pequeno partido de esquerda prometeu seus votos, para evitar a possibilidade de eleições antecipadas no contexto da pandemia.

amc/jm/mps/ll/mvv/ap

Escrito por:

AFP