Publicado 02 de Março de 2021 - 13h40

Por AFP

Os Estados Unidos impuseram nesta terça-feira (2) sanções financeiras contra dois comandantes dos rebeldes houthis do Iêmen, acusados de ter "realizado ataques" contra civis, países vizinhos e navios comerciais.

Essas medidas chegam depois que o presidente Joe Biden anulou a entrada dos houthis na lista de organizações terroristas, decidida no fim do mandato de seu antecessor Donald Trump.

As organizações humanitárias temiam que essa clasificação dificultasse o envio de ajuda para as vastas áreas controladas pelos insurgentes, e que isso levasse a uma fome de grande alcance.

O governo de Biden explicou que esta revogação foi motivada por razões puramente humanitárias, e desde então tenta encontrar outras formas para aumentar o tom contra os houthis e pressioná-los a negociar uma solução política para o conflito.

As sanções contra Mansur al-Saadi, apresentado como comandante das forças navais da rebelião, e Ahmad Ali Ahsan al-Hamzi, comandante das forças aéreas, obedecem esta lógica.

"Os Estados Unidos condenaram a destruição de locais civis pelos militantes houthis sancionados hoje", declarou o Tesouro americano em um comunicado.

Suas ações "buscam promover as intenções desestabilizadoras do regime iraniano", apoio dos houthis, e "alimentam o conflito iemenita, deslocando mais de um milhão de pessoas, e colocando o Iêmen à beira da fome", acrescentou.

fff/rle/rs/mls/aa

Escrito por:

AFP