Publicado 01 de Março de 2021 - 17h10

Por AFP

Os partidos aliados do presidente Nayib Bukele se situam como os grandes vencedores das eleições legislativas municipais de domingo em El Salvador, segundo contagens preliminares publicadas nesta segunda-feira (1), que anunciam um poder maior nas mãos do governante.

O partido Novas Ideias (NI), que Bukele ajudou a formar e que disputou uma eleição pela primeira vez, juntamente com a Grande Aliança Nacional (GANA), que o levou ao poder em 2019, obtinham juntos mais da metade dos votos para o Parlamento, segundo apuração preliminar de 86% dos votos, difundida pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE).

"Estamos contentes com esse grande resultado, contentíssimos, como se tivéssemos ganhado na loteria", disse à AFP José David Paredes, um trabalhador a construção de 57 anos, simpatizante de Bukele.

A contagem preliminar em tempo real permite ao TSE marcar a quantidade de votos que cada organização política recebe.

Na terça-feira, começará a contagem oficial, na qual se determinará quantos dos 84 assentos do Congresso Unicameral corresponde a cada partido, informou à AFP uma fonte do TSE.

Com maioria absoluta, Bukele poderá influenciar nas nomeações da Corte Suprema de Justiça, da Controladoria e da Procuradoria, com as quais têm tido disputas.

E se alcançar a maioria qualificada (56 assentos), poderá empreender reformas de fundo, como as constitucionais.

O governante, que comemorou sua "vitória" pelo Twitter no domingo, compartilhou por esta rede social uma pesquisa de boca-de-urna da empresa costa-riquenha Cid Gallup, que atribuiu ao Novas Ideias 67% dos votos para o Parlamento. Não foram divulgados detalhes técnicos da consulta.

"Novas Ideias + GANA terão mais de 60 deputados (...) Graças ao povo salvadorenho. Graças a Deus", escreveu, chamando atenção para uma façanha que nenhum partido conseguiu em três décadas.

De acordo com a contagem do TSE, a Aliança Republicana Nacionalista (Arena, direita) e a ex-guerrilheira Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN, esquerda), que já foram governo e controlaram o Congresso, serão minoria.

Para o eleitor José David Paredes, "sempre se precisa da oposição, mas não será mais uma oposição diabólica como a que existia, que bloqueava tudo".

José Fabricio Ortiz, um trabalhador de 56 anos, considerou que a votação é um reconhecimento direto a Bukele, "por tudo o que tem feito pelo país".

O governante também está vencendo em mais da metade dos 262 municípios em disputa.

Para o americano Tim Muth, autor do blog El Salvador Perspectives, a concentração de poder entre os aliados de Bukele demonstra que ele fez valer sua visão positiva do futuro do país.

Escrito por:

AFP