Publicado 01 de Março de 2021 - 14h51

Por AFP

Com uma indústria petrolífera devastada e duras sanções dos Estados Unidos que dificultam o comércio de petróleo, a Venezuela perderá o trem da alta dos preços, que está levando o ouro negro a seus níveis mais altos em um ano após o impacto da pandemia, concordam analistas.

O preço da cesta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) ficou em média 54,38 dólares por barril em janeiro, enquanto o petróleo de referência da Venezuela, Merey, ficou em 37,40 dólares.

O petróleo é o principal produto de exportação e fonte de divisas da Venezuela.

A capacidade da indústria venezuelana de aproveitar a alta de preços impulsionada pela onda de frio que paralisou as principais regiões petrolíferas dos Estados Unidos está em questão, destacou o assessor de petróleo Carlos Mendoza Potellá.

A produção da petroleira estatal PDVSA recuou aos níveis das décadas de 1930 e 1940. O abastecimento começou em 2021 com ligeira recuperação, segundo dados da Opep, mas mal chegou a 487 mil barris por dia em janeiro, longe dos mais de 3 milhões de barris que esta nação petrolífera colocou no mercado quando o presidente socialista Nicolás Maduro chegou ao poder em 2013.

Maduro prometeu elevar a produção para 1,5 milhão por dia neste ano, mas os especialistas estão céticos, em uma economia que amarga sete anos de recessão.

"É impossível (melhorar a produção) nas circunstâncias críticas em que se encontra a indústria do petróleo venezuelana, mesmo que amanhã as sanções sejam suspensas (...). Não estamos no piso, mas em uma cova", disse Mendoza o AFP.

"O impacto será bastante limitado", diz o especialista em petróleo Luis Oliveros.

"Há um limite (de possibilidade de aumento da produção) devido aos problemas que a PDVSA tem para vender seu petróleo por conta das sanções", explicou.

Anos de baixo investimento, má gestão e corrupção afundaram a indústria petrolífera da Venezuela, dizem os especialistas.

As sanções de Washington para tentar tirar Maduro do poder agravaram a situação com a proibição do comércio de petróleo venezuelano, em vigor desde abril de 2019.

"Chegamos a uma situação extrema com as sanções", diz Maduro. "Ficamos 14 meses sem vender uma gota de óleo."

A AFP tentou contatar, sem resposta, porta-vozes da PDVSA e do Ministério do Petróleo.

O presidente espera que a polêmica lei antibloqueio, aprovada em outubro, redirecione a produção.

Escrito por:

AFP