Publicado 28 de Fevereiro de 2021 - 19h05

O espetáculo Anna e a Rainha do Gelo, que estreou em Campinas em agosto do ano passado, retorna para quatro apresentações neste fim de semana, no Teatro Municipal José de Castro Mendes. Baseado no grande sucesso do cinema e da Broadway, Frozen, o musical conta a história atemporal de duas irmãs, separadas à força devido a um segredo perigoso. Enquanto uma delas luta para encontrar o seu lugar e para controlar os poderes com os quais nasceu, a outra embarca em uma grande aventura para recuperar sua família e para salvar o seu reino.

O elenco, composto integralmente por artistas da região de Campinas, conta com 40 atores, cantores e bailarinos que são responsáveis por trazerem à cena personagens muito conhecidos e amados pelo público, como as princesas Anna e Elsa, Kristoff, o boneco de neve Olaf, a rena Sven, o príncipe Hans entre outros. Os cenários são compostos por peças produzidas especialmente para o espetáculo juntamente com projeções mapeadas para criarem no teatro os efeitos especiais mostrados no filme. As canções são cantadas ao vivo e incluem grandes sucessos do filme como Livre Estou, Por Uma Vez na Eternidade e Vejo uma Porta Abrir, além de músicas originais criadas para a versão apresentada na Broadway. O espetáculo tem roteiro de Jennifer Lee e músicas de Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez.

O espetáculo é a nova produção da Bravo Teatro Musical e é resultado do curso-montagem de teatro musical iniciado em abril de 2019. Para Juliana Hilal, que assina a direção, trazer a história aos palcos é um enorme desafio, seja pela profundidade das personagens ou pela grandiosidade dos efeitos de magia. “Por ser uma trama amplamente conhecida do público, a expectativa quanto aos feitiços de Elsa é enorme. Há também uma grande responsabilidade na construção das personagens com todas as suas camadas e conflitos. Tais conflitos inclusive remetem a questões importantes em pauta nos dias de hoje, como a forma de se lidar com as diferenças, a busca pelo amor verdadeiro ou o papel das mulheres na sociedade”, diz Juliana. (AAN)