Publicado 06 de Fevereiro de 2021 - 19h05

Uma triste notícia para a classe artística, não só de Campinas. Morreu na noite de terça-feira, o ator, diretor, locutor e dramaturgo Sérgio Vergílio, em decorrência de um câncer de pulmão diagnosticado já em estágio avançado. Sergião, como era chamado pelos amigos e parceiros de cena, praticamente morreu no palco. Ele estava em cartaz com o espetáculo A Valsa, de sua autoria e em que atuava ao lado de Glauce Graieb, Tânia Garcia e Caio Magalhães, na Campanha de Popularização do Teatro, dias 10 e 11 de janeiro. Apesar da dificuldade respiratória que sentia, o profissionalismo e a garra falaram mais alto e ele concluiu a apresentação com a dignidade e talento que sempre demonstrou em cena, seja no teatro, cinema ou televisão.

Mas, a apresentação do dia 11, sábado, foi cancelada, ele foi hospitalizado e submetido a uma série de exames, até os médicos chegarem ao diagnóstico. Na terça-feira fez a primeira sessão de quimioterapia, mas pelo estado debilitado, não resistiu e partiu. Formado em Análise de Sistemas, Sergião trabalhou como analista, mas sempre em paralelo com a atuação e projetos teatrais.

No ano passado, por exemplo, se envolveu em três espetáculos: como diretor da peça Stromboli – Amores à Beira de um Vulcão; como ator e autor em A Valsa; e como sonoplasta em A Cantora Careca. Em dezembro gravou o longa Um Caso de Outro Mundo, De Henrique Sattin, estava gravando outro filme, 32 Pomona, de Rodrigo Otaviano (não concluiu). Está ainda no longa Sophia, de Rafael Santin e Henrique Sattin, gravado em 2018 e com previsão de lançamento no segundo semestre deste ano; e nos curtas Boneca, de Flávio Carnielli e Trala Land, de Hamilton Rosa Junior, entre outros trabalhos.

No Facebook, a família - a esposa Sílvia e os filhos Diego e Julia – escreveu. “Estamos recebendo o carinho e a energia de cada um de vocês. Gostaríamos que se lembrassem do Sérgio como ele sempre foi: alegre e uma pessoa que sempre uniu e re-uniu as pessoas”.

Outros amigos também se manifestaram, homenageando o grande ator e amigo especial que foi (é) Sérgio Vergílio. “Difícil falar do Sérgio em poucas linhas. Nossa história de amizade começou no palco há cerca de 30 anos. De lá para cá construímos um vínculo de amizade muito forte. Somos muito diferentes em vários aspectos, mas o respeito, a admiração e a cumplicidade foram suficientes para fortalecer cada vez mais os nossos laços. Sérgio tem um gênio forte, é teimoso, mas sabe como e quando voltar atrás. Tem humor, alegria, leveza, talento, carisma e um coração super generoso. Chega, porque ele pode ficar muito convencido (hic). Continuo falando dele no presente porque ele sempre estará nas minhas memórias. Esta noite sonhei com ele, não falamos nada, ele apenas deu um sorriso e bastou pra aliviar meu coração. Fica em paz meu irmão”, disse o ator Ramiro Lopes.

“Perdemos um dos amigos mais apaixonados pelo teatro, cinema enfim pelas artes, que já conheci. Sim, Sérgio Vergílio estava sempre entusiasmado, sempre inspirando a todos, com seu grande conhecimento. Sempre criando seus diversos trabalhos de arte. Sérgio Vergílio, autor, ator, diretor, cenógrafo, sonoplasta e artista virtual. O mais importante, um grande amigo que morreu no palco a exemplo de outros grandes artistas como Edith Piaff e Cacilda Becker. O mundo fica bem mais triste sem Sérgio Vergílio”, apontou o diretor e ator Jonas Mello

“Qualquer coisa que fale sobre o Sérgio será injusto, por ser pouco. Complexo, intenso e profundamente generoso, foi amigo, irmão e parceiro. Dividir o palco e a vida com ele foi um delicioso privilégio. Em mim, vai viver sempre. Perdi meu amigo, um guerreiro do teatro, irmão de cena, conselheiro e ponto de apoio nas minhas direções. Brilhe, Sérgio Vergílio...para sempre”, afirmou o também diretor e ator Ricardo Moreira.

“Pessoa linda, divertida, supertalentosa, de luz gigante. Para sempre no meu coração”, postou a jornalista Maria Cláudia Miguel. “Sérgio meu amigão, perdi todas as palavras para falar de você. Como vou rir agora? Cadê a minha Tisbe de cachos dourados? Cadê aquele ator do teatro que tanto me emocionou? Olho para a foto e ainda não acredito que você foi para o céu. Faça a festa e vire uma estrela brilhante. Nós te amamos com toda força do coração. Siga na luz, seu palco é lá em cima”, escreveu a atriz Rosi Luna. Centenas de pessoas foram dar seu adeus a Sérgio, que foi enterrado sob aplausos na tarde de quarta-feira. (Delma Medeiros/da Agência Anhanguera)